Berlinale

João Salaviza vence Urso de Ouro para melhor curta

João Salaviza recebeu o Urso de Ouro das mãos do realizador Dieter Kosslick
Fotogaleria
João Salaviza recebeu o Urso de Ouro das mãos do realizador Dieter Kosslick Fabrizio Bensch/Reuters
Miguel Gomes foi chamado ao palco da Berlinale por François Ozon, que lhe entregou o prémio Alfred Bauer
Fotogaleria
Miguel Gomes foi chamado ao palco da Berlinale por François Ozon, que lhe entregou o prémio Alfred Bauer Fabrizio Bensch/Reuters

Rafa, de João Salaviza, ganhou a competição de curtas-metragens do festival de Berlim. O realizador português volta assim a ser distinguido num dos principais festivais de cinema europeus, depois de ter ganho a Palma de Ouro em Cannes, em 2010, com Arena.

João Salaviza considera Rafa como o terceiro capítulo de uma espécie de trilogia iniciada com Arena, em 2009, e continuada com Cerro Negro (encomenda do programa Próximo Futuro da Gulbenkian), no ano passado.

A nova curta-metragem do jovem realizador português, de 27 anos, conta a história de um adolescente que se aventura do interior da sua casa do subúrbio para visitar a mãe numa prisão de Lisboa. De repente, vê-se com um bebé nas mãos, angustiadamente adulto, avançou ao ípsilon.

Para o festival de Berlim, João Salaviza montou dois trechos de apresentação do filme, o segundo dos quais pode ser visto de seguida.

Miguel Gomes, o português que estava em competição nas longas-metragens, foi galardoado com o prémio Alfred Bauer, atribuído a um filme que abra novas perspectivas para o cinema. Este é o segundo prémio arrecadado em Berlim com Tabu, depois de ontem, sexta-feira, lhe ter sido atribuído o prémio Fipresci pela crítica internacional presente na capital alemã.

O realizador de Aquele Querido Mês de Agosto era dado como um dos favoritos para o Urso de Ouro, mas o principal galardão da Berlinale foi para Cesar Must Die, de Paolo e Vittorio Taviani (n. 1931 e 1929, respectivamente). É um novo prémio de monta no palmarés destes irmãos italianos, que em 1977 ganharam a Palma de Ouro de Cannes, com Padre Padrone e que, em 1986, foram distinguido com o Leão de Ouro, em Veneza, um prémio de carreira.

O Grande Prémio do Júri foi parar às mãos de Bence Flieghauf, que concorreu com Just the Wind. O alemão Christian Petzold foi escolhido como o melhor realizador da edição deste ano, por Barbara.

O júri das longas-metragens, presidido por Mike Leigh e composto ainda pelos realizadores Anton Corbijn, Asghar Farhadi, François Ozon, pelos actores Charlotte Gainsbourg, Jake Gyllenhaal e Barbara Sukowa e pelo escritor Boualem Sansal, começaram por atribuir uma menção especial a L’Enfant d’en Haut, de Ursula Meyer, e seguiram depois para os Ursos de Prata.

Mikkel Følsgaard (A Royall Affair) venceu o Urso para melhor actor e Rachel Mwanza (Rebel), o Urso para melhor actriz. O de melhor argumento foi para Rasmus Heisterberg e Bodil Steensen-Leth, o romancista que escreveu a narrativa original de Royal Affair. O Urso de Prata para contribuição artística foi para a direcção de fotografia de White Dear Plain, de Quan’an Wang.

Voltando à competição de curtas-metragens, o júri premiou ainda The Great Rabbit, do japonês Atsushi Wada, com o Urso de Prata. Licuri Surf, de Guille Martins, recebeu uma menção honrosa. Nas primeiras obras, foi Cowboy o principal vencedor, produção holandesa assinada por Boudewjin Koole.

Notícia actualizada às 19h08