Fitch sobe rating da Islândia para nível acima de “lixo”

Foto
Ints Kalnins/Reuters

“A restauração da notação da Islândia para um nível não-especulativo reflecte o progresso feito na restauração da estabilidade macroeconómica”, escreve Paul Rawkins, director para as notações de dívida soberana da Fitch, numa nota divulgada nesta sexta-feira pela agência.

Rawkins também elogia “os avanços nas reformas estruturais” conseguidos pela Islândia desde a crise bancária de 2008.

As outras duas grandes agências de notação financeira – Standard & Poor’s e Moody’s – já haviam elevado as respectivas notações da Islândia a níveis acima de “lixo”.

A Islândia foi o primeiro país cujas finanças sofreram um impacto directo da crise financeira que se sucedeu à falência do banco de investimentos norte-americano Lehmann Brothers, em 2007.

No ano seguinte, os três principais bancos islandeses entraram em incumprimento e foram nacionalizados. A Islândia viu-se então obrigada a recorrer ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Ao cabo de três anos, a Islândia concluiu o programa de assistência contratado com o FMI e entretanto formalizou um pedido de adesão à União Europeia.

Para além disso, nota a Fitch, “a Islândia tem estado no pelotão da frente da consolidação orçamental entre as economias avançadas”. O défice primário (isto é, sem incluir o pagamento de juros) do Estado islandês reduziu-se “de 6,5% do PIB em 2009 para 0,5% em 2011”, acrescenta a agência.

“Até agora, a Islândia parece ter sido pouco afectada pela crise da dívida soberana na zona euro e, embora o crescimento deva abrandar para entre 2 a 2,5% em 2012-13, a Fitch não espera que a Islândia volte a entrar em recessão”, lê-se no comunicado divulgado pela agência.