Paulo Pimenta
Foto
Paulo Pimenta

Megafone

Há noites diferentes no Porto

Se não houver sopa, os voluntários fazem. Mesmo que tenha acabado tudo há sempre uma palavra ou um sorriso para se dar. É assim que funciona o CASA

No Porto, todas as noites, vinte pessoas não vão para as Galerias de Paris, para a Praça dos Leões nem para a Ribeira. Vão sim, fazer fazer companhia a quem está só, vão ouvir quem nunca ninguém ouve.

O Centro de Apoio ao Sem Abrigo (CASA) do Porto todos os dias, e duas vezes à sexta-feira, leva uma refeição quente e uma palavra amiga às centenas de sem-abrigos do Porto.

Todos eles são voluntários, e essa é a grande vantagem do CASA, todos deixam de ir para os copos, jantar fora ou até ir para a cama mais cedo por uma única razão: amor. Será amor suficiente para tantos sacrificios? Não sabemos, apenas se sabe que estes voluntários fazem amizade onde mais ninguém fez, sabem os nomes de quem ninguém sabe, e até comem a sopa e os bolos também.

No tempo em que se demora a fazer uma ronda - uma, duas, cinco horas, o tempo que for preciso -, durante esse tempo, não há pobres nem ricos, por umas horas naquele local deixam de existir classes. Apenas há algumas pessoas reunidas a praticar o maior bem de todos os animais, o da comunicação.

Se não houver sopa, os voluntários fazem. Se não houver café, eles semeiam, regam e colhem. É simples este funcionamento, mesmo que tenha acabado tudo há sempre uma palavra ou um sorriso para se dar. É assim que funciona o CASA.

No fim destas rondas, todos seguem os seus caminhos para o meio das pessoas "normais", uns vão para as Galerias de Paris, outros para a Ribeira ou para as suas casas. Afinal foi só uma noite como muitas outras, ao longo da qual todos vão poder dormir melhor.