Futebol

Benfica de serviços mínimos mantém-se sozinho na frente

O Benfica sentiu dificuldades contra o Gil Vicente
Foto
O Benfica sentiu dificuldades contra o Gil Vicente Foto: Hugo Correia/Reuters

O Benfica continua 100% vitorioso nos jogos em casa para a Liga de futebol, mas neste domingo teve de sofrer para vencer o Gil Vicente (3-1), num dia em que o resultado foi bem melhor do que a exibição. Só nos últimos 20 minutos é que a equipa da Luz garantiu o triunfo e a manutenção de dois pontos de avanço sobre o FC Porto.

A formação de Jorge Jesus entrou em campo sabendo que só uma vitória permitia manter a liderança isolada. Mas em vez de servir de motivação, essa situação terá, pelo menos aparentemente, funcionado como factor de instabilidade. O Benfica falhou muitos passes e sentiu muitas dificuldades para criar oportunidades, ressentindo-se da ausência de Aimar (no banco).

O cenário piorava ainda mais, porque o Gil Vicente defendia com 11 homens atrás da linha da bola. E à falta das explosões de Gaitán e de Rodrigo ou de passes desequilibradores de Witsel, foi de bola parada que a equipa da Luz abriu o marcador. Cardozo, que é tão mal amado pelos adeptos como eficaz, marcou de cabeça, após um livre de Nolito (27’).

Poderia pensar-se que o golo ia tranquilizar o Benfica e desestabilizar a equipa de Barcelos, mas não foi isso que aconteceu. Mesmo sem arriscar muito, o Gil Vicente esboçou uma reacção e foi premiado com o empate. É certo que desta vez Laionel não estava em campo (ficou de fora por mau comportamento), mas apareceu Rodrigo Galo a fazer um golo à Laionel: um grande remate de longe, que deixou os adeptos do Benfica em silêncio (43’).

O Gil Vicente foi a nona equipa a jogar na Luz nesta temporada em encontros da Liga e conseguiu o mesmo que outras sete: marcar um golo (o que só o Sporting não logrou). Os primeiros 45 minutos deixavam uma pergunta para a segunda parte: seria o Benfica capaz de conservar a liderança isolada?

E os primeiros sinais foram mesmo favoráveis ao Gil Vicente. A equipa de Barcelos quase marcava aos 48’, não fosse uma grande defesa de Artur a evitar o golo de Hugo Vieira. O Benfica continuou a sentir muitas dificuldades e até aos últimos 20 minutos as jogadas de maior perigo pertenceram aos forasteiros.

Jorge Jesus sentiu então que tinha de arriscar. Lançou Aimar (porque faltava um organizador) e Bruno César (abdicando de Javi García). E o risco foi premiado. Rodrigo tentou a sorte de longe e beneficiou de um desvio em Halisson para fazer o 2-1 (73’). E, um minuto depois, Aimar resolveu definitivamente a partida, ao surgir na cara de Adriano para o 3-1. Estava garantida a nona vitória caseira no campeonato, provavelmente aquela em que o Benfica menos oportunidades criou.

Positivo

CardozoPela 12.ª vez no campeonato, mostrou aos seus críticos quão útil é à equipa. Mesmo sem jogar muito, é um goleador de eleição e reforçou liderança da lista dos melhores marcadores.

AimarEntrou só na segunda parte e, mesmo sem brilhantismo, deu outra classe ao futebol do Benfica. E marcou.

Paulo AlvesO Gil Vicente saiu derrotado e está cada vez mais perto dos lugares de descida, mas merece uma referência positiva pelo que fez na Luz. Paulo Alves armou uma equipa muito sagaz tacticamente, que soube, como poucas, criar problemas ao Benfica.

Negativo

GaitánÉ um dos jogadores mais valiosos do Benfica, mas atravessa uma má fase. Ontem foi incapaz de criar perigo e falhou muitos passes (acertou apenas 46%, segundo os dados estatísticos da Liga).

Ficha do jogo

Benfica, 3



Gil Vicente, 1


Jogo no Estádio da Luz, em Lisboa. Assistência 43.214 espectadores.

Benfica

Artur, Maxi Pereira, Luisão, Garay, Emerson, Javi Garcia (Bruno César, 69’), Gaitán (Aimar, 57’), Witsel, Nolito, Rodrigo (Luis Martins, 90’) e Cardozo. Treinador Jorge Jesus


Gil Vicente

Adriano Facchini, Daniel (Guilherme, 75’), Halisson, Cláudio, Júnior Caiçara, Pedro Moreira, Luís Manuel (Yero, 80’), Rodrigo Galo, André Cunha, Richard e Hugo Vieira (Roberto, 86’). Treinador Paulo Alves


Árbitro Marco Ferreira, da Madeira. Amarelos Daniel (53’), André Cunha (71’) e Rodrigo (88’).

Golos

1-0, por Cardozo, aos 27’;


1-1, por Rodrigo Galo,aos 40’;


2-1, por Rodrigo, aos 73’


3-1, por Aimar, aos 74’.