Há pequenos aliens nas ruelas e recantos da Capital

O P3 passou uma tarde em velocidade "fast forward". Percorremos Guimarães e tropeçámos em espaços criativos mais ou menos oficiais. "Os que se acanharam vão sair do armário em 2012"

Foto
Adriana Miranda Ribeiro Fernando Veludo/nFactos

Rua Padre Augusto Borges de Sá. CAAA. Pronuncie-se como se pronunciar, ficamos sempre de boca aberta quando chegamos à antiga fábrica têxtil e novo Centro para os Assuntos da Arte e Arquitectura. O projecto foi um dos primeiros a aterrar na Capital Europeia da Cultura. Mas há outros pequenos aliens em Guimarães.

Apresentar o CAAA é fazer um retrato robot dos seus nove associados: Ricardo Areias e Maria Luís Neiva (arquitectos), Eduardo Brito e Carlos Lobo (fotógrafos), Joana Gama (pianista), Rodrigo Areias (cineasta), João Carvalho (designer), Luís Ribeiro (artista plástico) e Gustavo Cunha Ribeiro (advogado).

O CAAA é “Reimaginar Guimarães” e esperar pela visita de John Cage. É “redescobrir a cidade e o seu orgulho”, disse ao P3 Luís Ribeiro. “Sem artistas a cidade não existia”. “De repente já não temos que fugir de Guimarães, aquele sítio onde não se passa nada”, completa Carlos Lobo.

Foto
O Cineclube voltou ao S. Mamede Fernando Veludo/nFactos

E a cidade existe. Basta espreitar pelo buraco da fechadura. Nos dias 1 e 2 de Outubro de 2011, o evento Guimarães noc noc (que resultou na associação cultural Ó da casa) abriu muitas portas. “Das pessoas que participaram na mostra artística informal, cerca de 200 pessoas são de cá. E 200 pessoas é muita gente. Os que se acanharam vão sair do armário em 2012”, contabiliza Adriana Miranda Ribeiro.

Foto
Miguel Carvalho Fernando Veludo/nFactos

É fácil passar uma tarde de boca aberta em Guimarães. Desta vez, trocámos a malga de vinho e os petiscos do Júlio pela vista do espaço Cor de Tangerina (Largo Martins Sarmento), lambuzamo-nos na confeitaria Clarinha (Toural) e escapulimo-nos até ao pátio romântico da galeria Lucília Guimarães (basta pedir licença) depois de um café no Terra de Ninguém (ambos na rua do Retiro).

Foto
Ilustração de Filipe Santos na montra da Desfigura Fernando Veludo/nFactos

Low cost, high art

Espreitámos a montra (ilustração de Filipe Santos) da Desfigura, loja de artesanato urbano e workshops (rua Dr. Avelino Germano, n.º 81), cobiçámos as peças da Gata do Laço (rua da Rainha, n.º 81) e espreitámos o cartaz do S. Mamede (seis euros = prato de carne ou prato de peixe e diária de cultura), que há dias voltou a receber as sessões do Cineclube (3,50 euros cota mensal e sessões gratuitas). Tradição.

“Não somos concorrentes do [Centro Cultural] Vila Flor. Temos uma relação saudável, somos complementares. Dividir o público não é uma estratégia”, explicou Miguel Carvalho em plena sala de espectáculos (680 pessoas sentadas).

Carlos Mesquita, que por acaso é presidente do Cineclube (imperdível, Largo da Misericórdia), recomenda “o Toural”. Todo. “Tornamo-nos malandros no Toural”. E “os recantos com luzes e sombras, as ruelas onde não há pessoas com o copo na mão à espera que algo aconteça”.

Aventurámo-nos por um desses recantos. Rua Dr. Bento Cardoso. Claustros da igreja S. Sebastião. Espreitámos pela fechadura do Centro Infantil e Cultural Popular (CICP). Não se deixem enganar pelo nome. Boca aberta.