Futebol

O ambiente em Alvalade é de desconcertação social

Capel marcou o golo do Sporting, mas não evitou o empate
Foto
Capel marcou o golo do Sporting, mas não evitou o empate Foto: Francisco Leong/AFP

A noite acabou com assobios em Alvalade. O Sporting continua sem ganhar em 2012: empatou 1-1 com o Moreirense, em jogo da segunda jornada da Taça da Liga, naquele que foi o quarto empate nos últimos cinco jogos para a equipa de Domingos Paciência. Uma exibição muito apagada e insuficiente para bater o segundo classificado da II Liga, que chegou a ameaçar uma surpresa ainda maior.

Os portugueses têm sido bombardeados com a ideia que 2012 vai ser o ano de todas as dificuldades. Para Domingos Paciência, está a revelar-se um verdadeiro pesadelo. A equipa continua sem ganhar e o nível das exibições caiu. Os adeptos demonstraram a insatisfação, e foi bem visível que os dias de idílio estão longe. O ambiente é de desconcertação social.

No final, Bojinov foi o principal visado: entrou na segunda parte mas destacou-se pela negativa. Já no tempo de compensação, quando os “leões” dispuseram de um penálti, o avançado búlgaro empurrou Matías Fernández e insistiu em marcar a grande penalidade. Sem sucesso, porque Ricardo Ribeiro travou o remate e segurou o empate.

Depois de, na véspera, o treinador Domingos Paciência ter vindo a público pedir tempo, a equipa do Sporting entrou em campo como que sobre brasas. Os jogadores não demonstraram vontade de dar razão ao treinador e mudar o rumo dos acontecimentos. Schaars esteve perto de inaugurar o marcador, mas viu Ricardo Ribeiro opor-se com uma grande defesa (17’), a primeira de várias. Precipitado, o Sporting só chegou à vantagem depois de apanhar um susto. Na resposta ao remate de Ghilas que obrigou Marcelo Boeck a mostrar trabalho, Capel aproveitou um erro da defesa do Moreirense e fez o 1-0.

Mas a equipa de Jorge Casquilha não se deixou abater. Bem organizados, os visitantes fizeram o empate pouco depois: de primeira, sem deixar cair a bola, o inevitável Ghilas fez o 1-1 de forma notável. Vale a pena ver o lance.

Insatisfeito, Domingos Paciência trocou Carriço e Ribas por Matías Fernández e Bojinov no início da segunda parte. Mas o panorama não mudou substancialmente. O Moreirense esteve competente a defender e sempre à espreita de um contra-ataque rápido.

Numa fase em que os “leões” davam tudo, Jeffren caiu na área, num lance que deixou dúvidas, e Marco Ferreira assinalou penálti. Domingos disse a Matías para marcar, mas Bojinov agarrou-se à bola e empurrou o chileno. Insistiu, e falhou. No final, foi o alvo de toda a insatisfação.

POSITIVORicardo Ribeiro

Foi um gigante na baliza. Defendeu um penálti e, nos descontos, tirou com o pé o que seria o golo da vitória do Sporting. No ataque, Ghilas foi incansável e marcou um belo golo, que vale a pena ser visto.


Capel

O melhor do Sporting, a anos-luz de todos os companheiros. Na mediania generalizada, o espanhol foi um exemplo de empenho.


NEGATIVOBojinov

Até poucos minutos do fim do jogo, era Rodríguez que figurava neste ponto. Mas o búlgaro conseguiu destacar-se pela negativa: desautorizou o treinador, falhou um penálti e ganhou a animosidade de todos os adeptos do Sporting.


Ficha de Jogo

SPORTING, 1MOREIRENSE, 1

Jogo no Estádio José Alvalade, em Lisboa.Assistência 17.440 espectadores.

Sporting

Marcelo, João Pereira, Onyewu, Rodriguez, Insúa, Carriço (Matías Fernandez, 46’), Elias, Schaars, Carrillo (Jeffren, 69’), Capel e Seba Ribas (Bojinov, 46’). Treinador Domingos Paciência.

Moreirense

Ricardo Ribeiro, Chico, Pinto (Ricardo Fernandes, 76’), Anilton, Augusto, Pintassilgo, Tales, Bru (Júlio César, 57’), Filipe Gonçalves, Luís Pinto (Wagner, 73’) e Ghilas. Treinador Jorge Casquilha.

Árbitro

Marco Ferreira, da Madeira.

Amarelos

Augusto (64’ e 90’+2’), Júlio César (65’), Pintassilgo (67’), Tales (78’), Ghilas (80’), João Pereira (82’).

Vermelho

Augusto (90’+2’).

Golos

1-0, por Capel, aos 28’; 1-1, por Ghilas, aos 34’.

Notícia actualizada às 22h54
Sugerir correcção