PSD considera acordo "muito importante" e lamenta que CGTP-IN tenha ficado de fora

Em declarações aos jornalistas, no Parlamento, o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, confirmou que, no cumprimento desse acordo, a proposta de lei para aumentar o horário de trabalho em meia hora por dia não terá sequência.

Questionado se essa proposta de lei que foi aprovada em Conselho de Ministros e que deu entrada na Assembleia da República vai ser retirada pelo Governo ou simplesmente não vai ser agendada, Luís Montenegro respondeu: "Veremos qual a melhor forma de fazer uma coisa que é hoje óbvia, que é que todos devem cumprir a palavra que foi dada em sede de concertação social".

De acordo com o líder parlamentar do PSD, o acordo alcançado em sede de concertação é "muito positivo" e "muito importante" e vai permitir "um acréscimo de credibilidade externa do Estado português, não só para cumprir a sua palavra, como para criar as condições para um maior desenvolvimento económico e social".

Luís Montenegro saudou o Governo e os parceiros sociais por mostrarem "que o país consegue convergir, consegue unir as suas forças num momento de dificuldade".

Questionado sobre o facto de a central sindical CGTP-IN ter abandonado as negociações, o líder parlamentar do PSD declarou: "Nós, naturalmente, lamentamos que apenas esse parceiro não tenha estado neste acordo final, mas eu julgo que o nível de convergência que foi obtido em sede de concertação social é suficientemente forte para poder motivar, para poder mobilizar o país para cumprir os seus compromissos e, sobretudo, para criar condições para que a sua economia se possa desenvolver".