Cargueiro partiu-se em dois

Destroços do cargueiro "Rena" chegaram às praias da Nova Zelândia

O navio quebrou-se no sábado
Foto
O navio quebrou-se no sábado Maritime New Zealand/Reuters

Os destroços do cargueiro “Rena”, que se partiu em dois na noite de sábado depois de ter encalhado no Recife Astrolábio a 5 de Outubro, começaram a chegar hoje às praias da Nova Zelândia.

Pelo menos cinco contentores deram à praia de Waihi, muito procurada como destino de férias, disse o porta-voz do Instituto Marítimo neozelandês, Bruce Fraser. “Há muitos contentores e destroços nas águas e que estão a dar à costa”, acrescentou.

As autoridades deram conta, ainda, de uma mancha de combustível que se está a espalhar, a três quilómetros do cargueiro, e pequenas porções de fuelóleo que estão a chegar às praias e ilhas da região. Madeira, plástico e dezenas de sacos atingiram a zona costeira.

O navio de 47.230 toneladas, com pavilhão da Libéria, encontra-se a 22 quilómetros de Tauranga. As autoridades marítimas neozelandesas tentaram remover o fuelóleo e os contentores do cargueiro, mas grande parte da carga continua no navio, agora quebrado. A Nova Zelândia já considerou este como o seu pior desastre ambiental das últimas décadas.

A polícia fechou o acesso público à praia Waihi. “As pessoas não se devem aproximar dos destroços que derem à costa por razões de saúde e apelamos àqueles que recolheram objectos das praias para os entregarem a fim de serem descontaminados”, disse o sargento Dave Litton, da polícia de Waihi. Mais de 20 contentores estão cheios de um químico tóxico.

Nos últimos três meses foram bombeados para fora do “Rena” mais de mil toneladas de combustível mas isso não conseguiu evitar um derrame. Centenas de aves marinhas morreram por causa da poluição.