Futebol

Sporting forrou acesso a balneário com imagens que exaltam violência

Poses agressivas e caras tapadas: o pior das claques está nos corredores
Foto
Poses agressivas e caras tapadas: o pior das claques está nos corredores Foto: Miguel Manso

Adeptos das claques em poses agressivas, desafiando os seguranças. Outros de cara tapada e com tochas na mão. Outro numa pose que sugere uma saudação fascista. Outro ainda com um tatuagem com a cruz de ferro, um símbolo que, não sendo exclusivo do nazismo, está muito associado a movimentos da extrema-direita. Foram estas as imagens que o Sporting colocou, nesta época, no corredor que dá acesso aos balneários da equipa visitante, no Estádio de Alvalade — um caminho que tem de ser percorrido pelos jogadores visitantes para se equiparem e depois no caminho de ida e regresso do relvado.

O PÚBLICO teve acesso a fotos tiradas num jogo desta época na zona reservada aos intervenientes no encontro e pôde depois comprovar a veracidade delas, numa visita turística ao estádio, onde foi possível ver uma parte desse corredor, já que a outra estava vedada às visitas. Na parte aberta do corredor estava, por exemplo, o painel em que um adepto aparece de braço esticado (tal como nas saudações fascistas), enquanto as imagens com a tatuagem da cruz de ferro não se encontravam neste corredor: estão na área não visitada ou foram entretanto removidas?

Esta e outras perguntas — De quem foi a ideia? Toda a direcção conhece e concorda com a colocação destas imagens? Porquê o uso destas fotos? — ficaram sem resposta por parte do Sporting, cujo director de comunicação, Pedro Sousa, apenas disse que “não há reacção nenhuma” por parte do clube. De qualquer forma, sabe-se que o vice-presidente responsável pelo património e infra-estruturas, Paulo Pereira Cristóvão, assumiu em entrevista ao jornal do clube, em Agosto, que houve obras no estádio: “Aqui mandamos nós... somos o Sporting”, disse, na altura.

“Tenho dificuldade em acreditar que as fotografias que me enviou tenham sido colocadas nos corredores de acesso aos balneários onde se equipam os clubes visitantes no estádio do Sporting. O clube sempre pautou a sua conduta pela hospitalidade e confraternização com equipas adversárias, não confundindo a saudável rivalidade desportiva com guerras entre facções de adeptos”, reagiu Vicente Moura, presidente do Conselho para a Ética e Segurança no Desporto, esperando que “a direcção do SCP, na senda das tradições do clube, as mande retirar”.

Leia mais no PÚBLICO de hoje e na edição online exclusiva para assinantes.Especialista em violência diz que caso “assume maior gravidade, dada a selecção de fotos veicular símbolos nacionalistas de extrema-direita”

(EXCLUSIVO ASSINANTES)

Juristas defendem abertura de processo disciplinar

(EXCLUSIVO ASSINANTES)