Eusébio já teve alta hospitalar

Foto
Eusébio terá agora de repousar em casa Enric Vives-Rubio

Eusébio, que completa 70 anos em 25 de Janeiro, deu entrada no Hospital da Luz a 19 de Dezembro com um quadro de pneumonia bilateral, consequência de uma gripe mal curada. Durante uns dias, o ex-futebolista, também conhecido como o "Pantera Negra", teve de ser transferido para os cuidados intermédios do hospital para ser monitorizado devido a um “episódio hipertensivo menor”.

Quando questionado sobre a sua situação actual, Eusébio não hesitou e garantiu que se sente muito bem. "Agora é preciso fazer um trabalho", disse o ex-futebolista, explicando que ainda tem de seguir um tratamento em casa. "Quero ir para casa passar o fim de ano com a minha família. Espero que não me aconteça mais nada", continuou em tom de brincadeira e batendo três vezes na madeira, como dita a superstição.

Sentado ao lado do director clínico José Roquette, Eusébio contou que quando deu entrada no hospital não se sentia bem, consequência de uma série de viagens. "Eu não sou muito amigo de viajar mas desta vez abusei", disse o jogador, lembrando as mudanças climatéricas que enfrentou entre o Moçambique, Lisboa e Brasil. "Em Moçambique estava calor, depois frio em Lisboa e depois ainda fui para o Brasil", disse.

José Roquette disse aos jornalistas que uma broncopneumonia "é uma situação perigosa em qualquer idade" e que por isso requer cuidados especiais. No entanto, neste momento "Eusébio tem a situação completamente resolvida", acrescentou o médico, explicando que agora o ex-jogador terá de repousar em casa.

No final da conferência de imprensa, Eusébio agradeceu o apoio que recebeu nas últimas duas semanas, mostrando-se com vontade de voltar "às emoções" e de ver o seu Benfica ser campeão.

Eusébio já tinha sido internado em 2007 naquela unidade para se sujeitar a uma operação à artéria carótida esquerda, para prevenir um eventual acidente vascular cerebral (AVC).

Eusébio da Silva Ferreira foi um dos melhores futebolistas da história, tendo brilhado sobretudo ao serviço do Benfica, nas décadas de 1960 e 1970, e da selecção nacional, que conduziu ao terceiro lugar no Mundial de 1966.

O Pantera Negra foi o melhor marcador do único certame internacional de seleções em que participou, com nove golos, quatro dos quais à Coreia do Norte (5-3), sendo que também venceu por duas vezes a Bota de Ouro (melhor marcador dos campeonatos europeus).

Na sua longa lista de troféus, consta ainda uma Bola de Ouro em 1965 (então atribuída pelo France Football ao melhor jogador da Europa), bem como uma série de vitórias internas, nomeadamente 11 campeonatos nacionais.

Notícia actualizada às 13h15