Compra de 21,35% da EDP

China Three Gorges diz que continuação de Mexia na EDP está por decidir

O futuro de António Mexia à frente da EDP ainda vai ser debatido com o Governo e accionistas
Foto
O presidente da EDP diz que a mobilidade eléctrica "é uma realidade que veio para ficar" Daniel Rocha

O novo accionista da EDP, que hoje assinou o contrato promessa para a compra de 21,35% da eléctrica, diz que a gestão da companhia tem sido muito boa, mas que o futuro ainda não está decidido.

“A equipa de gestão [da EDP] tem tido muito sucesso nos últimos anos, mas no futuro ainda temos de discutir isto [a continuação] com o Governo e com os outros accionistas”, afirmou em conferência de imprensa o presidente da China Three Gorges (CTG), Cao Guangjing.

Quanto à entrada de representantes da CTG no conselho de administração, o mesmo responsável disse que esse é um assunto que ainda não houve tempo para ser considerado.

Questionado sobre o possível interesse numa maioria do capital, Cao Guangjing disse também que para já pretendem manter-se apenas com 21,35%.

A empresa chinesa, responsável pela barragem das Três Gargantas, no rio Yangtze, considera também que o valor que irá pagar pela participação na EDP, de 2,69 mil milhões de euros, é “barato” face ao valor da companhia.

A primeira tranche de 600 milhões de euros é paga agora, no âmbito da assinatura do contrato promessa, enquanto que o restante valor terá de ser entregue ao Estado até Junho. Este dinheiro irá servir para abater à dívida pública nacional.

Cao Guangjing lembrou ainda que este primeiro negócio "irá trazer mais companhias e investidores chineses para Portugal, no futuro".