Fotogaleria
Exemplo de parte do currículo de Ashton Kutcher no Vizualize.me DR
Fotogaleria
Pedro Almeida
Fotogaleria
Exemplo de parte do currículo de Ashton Kutcher no Vizualize.me DR
Fotogaleria
Pedro Almeida

Vou ser entrevistado em vídeo e levo comigo um CV de gráficos

Existem cada vez mais formas de nos candidatarmos a propostas de trabalho, ainda que muitos empregadores continuem a preferir o CV de formato normal

E se, para que nos candidatássemos a um emprego de designer, tivéssemos de fazer uma apresentação/entrevista (iguais às do casting dos "Ídolos"), na qual poderíamos (e deveríamos) falar, entre outras coisas, sobre o nosso site, sobre o que colocamos no nosso blogue ou sobre a viagem que fizemos com os nossos amigos e que mudou a nossa perspectiva sobre as coisas? Será que aceitaríamos?

Quem fala em design, fala em qualquer outra profissão, e a verdade é que este formato de entrevista de emprego é apenas um entre outros inovadores que, recentemente, têm vindo a ser utilizados por pessoas que querem marcar a diferença no competitivo mercado de trabalho.

O exemplo acima referido partiu de uma agência de criatividade, a Spark. Chama-se “So You Think You Can Pitch” e, em 2011, teve lugar no Porto e em Braga, onde reuniu, numa fase final, 140 candidatos do país inteiro e 250 empresários. Daqui resultaram que “cerca de 80 pessoas estão a trabalhar”. Para 2012, estão previstas outras duas edições.

Apesar deste número de candidatos bem sucedidos, Miguel Gonçalves, fundador da Spark e dinamizador do “So Pitch”, refere que “a maioria continua a suportar-se nas licenciaturas”. “É importante começarmos a colocar a tónica não na licenciatura que tu tiraste, mas naquilo que tu queres fazer, porque o mercado não compra licenciaturas, compra trabalho”, afirma.

Miguel Gonçalves fala sobre o Udini, outro projecto da Spark para o mercado de trabalho

Este diferente formato procura ser uma alternativa, por exemplo, ao comum Europass. “As próprias empresas começam a compreender que a estrutura do Europass está um pouco esgotada. No limite, pensam: ‘Ok, agora tens 300 currículos e, daqui, seleccionar o melhor, por três ou quatro folhas, dá imenso trabalho e não é representativo’”, diz Miguel.

Miguel Gonçalves explica o So Pitch

Com vídeo é outra coisa

Dicas para se fazer um bom pitch

Mas, ainda assim, quando se analisa um caso em que existe uma empresa de recursos humanos como mediadora entre candidato e empregador, parece que este último continua “a preferir o [CV de] formato normal, os de texto corrido”, revela Dina Valério, técnica de recursos humanos da Go Work.

Todavia, “a inovação acaba por ser uma mais-valia para muitos dos candidatos” e, por parte da Go Work, existe abertura para receber outro tipo de currículos, como, por exemplo, em vídeo, onde é possível “analisar outras questões: a atitude, a motivação, a fluência verbal…”. “É [um formato] muito interessante. Até já há muitas empresas que, numa fase inicial, fazem entrevistas via Skype para perceber, de facto, quem é o candidato”, refere Dina Valério.

Visualizar o currículo

Também existem outras empresas de recursos humanos, como a NHD, que criaram mesmo uma plataforma onde candidatos podem deixar os seus “vídeo-currículos”. Desde a sua criação, em Agosto de 2011, o Clip-CV teve, nos seus estúdios de gravação, “cerca de trinta” candidatos e, destes, “dois casos de contratação”.

Cláudia Pinto, a gestora da plataforma, explica os números tendo em conta a “fase inicial do projecto” e o acanhamento que ainda existe perante as câmaras. Contudo, este poderá ser o único entrave, visto que a gravação do CV em vídeo é gratuita.

Mas para quem, ainda assim, não ficar convencido, existe sempre a possibilidade de, em vez de dar a cara, mostrar gráficos. A aplicação Vizualize.me consegue pegar nos dados sobre o percurso profissional visível numa conta Linkedin e transformá-los em estatísticas multicolores com variantes à nossa escolha. O segredo está em ser apelativo e passar a mensagem.