Greve na CP terminou à meia-noite mas os efeitos ainda se fazem sentir

Foto
Os comboios retomam hoje a normalidade depois de três dias de greve Foto: Paulo Ricca

“No que se refere aos serviços de longo curso – estamos a falar, portanto, do Alfa Pendular e Intercidades – e aos serviços regionais, haverá ainda bastantes supressões durante a parte da manhã, e poderão as supressões prolongar-se ainda um pouco até ao fim do dia, embora com impactos mais reduzidos”, disse Ana Portela à TSF.

António Medeiros, do Sindicato dos Maquinistas, diz que os problemas na circulação de comboios que poderão ocorrer durante a manhã devem-se à falta de organização da CP. “Estas supressões são resultado da falta de organização da empresa, e isso provoca algumas supressões”, disse António Medeiros à rádio Antena 1.

“E, se me está a falar em comboios a partir das 12 horas, ou das 10 horas, não há nenhuma justificação para que a empresa não se tivesse organizado para assegurar esse transporte. Só não assegura porque se desinteressou, desleixou, na organização da operação”, reforçou aquele sindicalista.

Ana Portela enfatiza a complexidade do regime de trabalho dos maquinistas, sobretudo no longo curso: “A greve que está em curso não abrange somente os dias 23, 24, 25 e dia 1 de Janeiro, que são dias de greve total ao trabalho. É uma greve que se prolonga até 31 de Janeiro às horas extraordinárias. O que é que isto significa? Significa que, se um trabalhador inicia um período de greve fora daquilo que é chamada a sua sede, ou seja, um trabalhador pertence a Santa Apolónia e a greve iniciou-se estando ele deslocado, vamos imaginar, na Guarda, ele só volta, nos termos do pré-aviso de greve, a retomar o seu serviço depois de a sua próxima escala se iniciar na sede. O que é que isto implica? Implica que, para muitos trabalhadores que se encontravam nestas condições quando iniciaram o período de greve, a greve é, efectivamente, prolongada para o dia de amanhã, e pode abranger metade do dia ou até o dia inteiro”, disse também à Antena 1.

Os comboios retomam hoje a normalidade depois de três dias de greve dos maquinistas, que já uma nova greve marcada para o próximo dia 1 de Janeiro.

A CP diz que os prejuízos provocados por esta paralisação – em que foram canceladas mais de 2300 ligações – rondam os 2,5 milhões de euros.

Sugerir correcção
Comentar