Entrevista ao jornal i

Mário Soares: "Se a Europa não muda, terá de haver uma revolução"

Soares tem "alguma esperança" na "ruptura profunda" na organização da Europa
Foto
Soares tem "alguma esperança" na "ruptura profunda" na organização da Europa Foto: Daniel Rocha

"Se a Europa não muda, terá de haver uma revolução", diz Mário Soares, numa entrevista publicada nesta terça-feira pelo jornal i, a propósito do livro que o antigo Presidente e primeiro-ministro português vai lançar na quarta-feira.

"Um Político Assume-se" é o título desse livro do dirigente socialista que, na entrevista em causa, assinala que a Europa "está numa crise profundíssima", culpando o que considera ser a colonização da política europeia pelo neoliberalismo.

"A União Europeia está desorientada. Dantes era constituída por duas grandes famílias políticas: os socialistas e os democratas-cristãos que seguiam a doutrina social da Igreja. Hoje não há democratas-cristãos, ou quase não há, porque já não seguem a doutrina social da Igreja, seguem o neoliberalismo, tendo o dinheiro como principal valor".

Também os socialistas europeus se entregaram a esta ideologia, considera Soares, atribuindo ao antigo primeiro-ministro britânico, Tony Blair, uma "influência maléfica", porque "convenceu bastantes partidos socialistas europeus a converterem-se à 'terceira via'".

"O dilema que existe hoje já vem de há dois ou três anos: ou mudam o modelo de desenvolvimento ou todos os Estados europeus vão entrar numa decadência profunda", sustenta Mário Soares, que já foi também deputado europeu em Bruxelas.

O actual primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, é ele próprio um neoliberal cujo governo acolhe os conselhos da troika "como se fossem ordens", critica Soares, apontando que "esse é o mal". "A troika, como diz, bem, o presidente do BPI [Fernando Ulrich], é um conjunto de tecnocratas de quinta ou sétima linha, que julgam poder governar por nós. Alguém aceitará que tecnocratas estrangeiros governem o nosso país? Mas por que carga de água?", questiona o histórico militante e fundador do PS.

Apesar disso, Soares diz que simpatiza com Pedro Passos Coelho, com quem tem "almoçado e conversado". "Tenho apreço por ele", mas ideologicamente pertence a uma família política diferente. "É um neoliberal. Acho que o neoliberalismo, nos últimos anos, tem sido a desgraça do planeta. Temos de mudar de paradigma, espero que pacificamente. Da mesma maneira que o colapso do comunismo nos trouxe uma aura de liberdade, tem de suceder com o neoliberalismo. Que é hoje uma ideologia esgotada".

Soares tem igualmente "alguma esperança" numa "revolução pacífica" e na "ruptura profunda" na organização da Europa que, para subsistir ", não pode deixar de ser uma federação democrática". "É verdade que estão a nomear primeiros-ministros não eleitos. É grave. Digamos que foi em casos de emergência. Mas vão ter, queiram ou não, de mudar", argumenta o político que ajudou a negociar a entrada de Portugal na então Comunidade Económica Europeia. "Se não mudam, vai ser terrível. Não só para nós como para o resto do mundo. E não sabemos onde podemos parar. Se for assim, terá de haver uma revolução."