Proposta defendida pela <i>troika</i>

Cavaco critica sugestão de baixar salários no privado

Cavaco lembrou que os salários baixos existem em "países em que eles são muito mais baixos"
Foto
Cavaco lembrou que os salários baixos existem em "países em que eles são muito mais baixos" Nuno Ferreira Santos/arquivo

O Presidente da República manifestou-se hoje incrédulo perante a sugestão da troika de reduções salariais no sector privado, defendendo que a competitividade deve basear-se em factores como a capacidade de inovação ou qualificação de recursos humanos.

“Não me parece um caminho correto de forma nenhuma. Até me custa a crer que seja uma recomendação firme, feita às autoridades portuguesas. Ainda não tive oportunidade de falar com o senhor primeiro-ministro e, por isso, tenho apenas a informação que li num comunicado que foi produzido”, afirmou Cavaco Silva aos jornalistas.

À margem de uma iniciativa sobre empreendedorismo na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, o Chefe de Estado começou por dizer que, de acordo com o modelo económico português, “o poder político não tem competência para determinar directamente os salários praticados no sector privado”.

“Se pensavam no aumento de competitividade, então eu direi que é muito melhor seguir outras vias: o reforço da nossa capacidade de inovação, a qualificação dos recursos humanos, a melhor ligação entre a produção científica e as empresas, a marca, o marketing, a qualidade e muitos outros factores”, defendeu.

“Salários baixos existem em muitos outros países em que eles são muito mais baixos que em Portugal”, sublinhou o Presidente.

A troika defendeu na quarta-feira que o sector privado deve seguir o exemplo do sector público e aplicar reduções salariais, “a fim de melhorar a competitividade dos custos da mão-de-obra”, conforme consta do comunicado da missão conjunta da Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional.