Vida de Grace Kelly vai chegar aos cinemas

A vida de Grace Kelly como princesa do Mónaco vai chegar aos cinemas
Foto
A vida de Grace Kelly como princesa do Mónaco vai chegar aos cinemas DR

Pierre-Ange Le Pogam conseguiu ficar com o projecto depois de uma grande disputa com outras produtoras do meio

A vida de uma das maiores divas de Hollywood, Grace Kelly, vai chegar aos cinemas com a ajuda da produtora Stone Angel, do produtor e actor Pierre-Ange Le Pogam, que comprou os direitos de "Grace Monaco", de Arash Amel, intitulado. O filme deverá seguir a linha de "O Discurso do Rei", de Tom Hooper, avança o The Hollywood Reporter.

Ícone de beleza, moda, cinema e da realeza do Mónaco, Grace Kelly teve uma vida bastante recheada de peripécias e histórias. Agora, segundo o The Hollywood Reporter, a vida da diva chegará às grandes telas, estando o projecto a despertar a atenão de muitos cineastas e actrizes, interessados em participar no filme.

Pierre-Ange Le Pogam conseguiu ficar com o projecto depois de uma grande disputa com outras produtoras do meio, que estavam bastante interessadas em adaptar o projecto "Grace Monaco". A história centra-se num período de seis meses em 1962, altura em que a nova princesa do Mónaco teve um papel decisivo para o principado, ao evitar um golpe de estado no Mónaco, explica o The Hollywood Reporter.

A actriz nasceu em Filadélfia, nso Estados Unidos, a 12 de Novembro de 1929. Grace era filha de um empresário bem-sucedido e de uma manequim fotográfica, o que acabou por influenciá-la a iniciar a sua carreira no mundo da moda e do cinema. Pouco depois de acabar os estudos, Grace Kelly decidiu tirar um curso de Artes Dramáticas e trabalhar como modelo, acabando por entrar em algumas peças da Broadway. A entrada em Hollywood aconteceria pouco depois, com a ajuda do seu tio, George Kelly.

Já no meio cinematográfico integrou inúmeros elencos como "O Comboio Apitou Três Vezes" (1952), de Fred Zinnemann, "Chamada Para a Morte " (1954), de Alfred Hitchcock, "Mogambo" (1953), de John Ford, - com o qual foi nomeada para melhor actriz secundária -, e "Janela Indiscreta" (1954), de Alfred Hitchcock. Mas foi apenas com "Para Sempre", de George Seaton, que a actriz venceu o Óscar de Melhor Actriz em 1955.

Foi nesse ano, numa passagem pelo Festival de Cannes, que Grace Kelly conheceu o Príncipe Rainier do Mónaco, por quem acabaria por se apaixonar e casar um ano depois - alguns dias após a rodagem do seu último filme, "Alta Sociedade" (1956), de Charles Walters. A actriz acabaria assim por abandonar o mundo do cinema. Como fruto da sua união matrimonial, o casal teve três filhos: Carolina, Alberto e Stephanie. Após passar a ter o estatuto de princesa, Grace Kelly passou a viver de acordo com as regras estabelecidas pela realeza. Em 1964, a ex-actriz criou a Fundação Princesa Grace, com o objectivo de descobrir e apoiar novos talentos no mundo das artes.

Mas em 1982 a morte de Grace Kelly chocou o mundo. Após sofrer um acidente vascular cerebral, perdeu o controlo do carro, acabando por perder a vida, onde estava também presente a filha, Stephanie, que sobreviveu. De acordo com o The Hollywood Reporter, mais de 100 milhões de pessoas assistiram na televisão ao seu funeral.

Sugerir correcção