CP, Metro de Lisboa, Carris, Soflusa, Transtejo e STCP

Trabalhadores dos transportes em greve parcial a 8 de Novembro

Greve na CP abrange trabalhadores de todas as categorias profissionais
Foto
Greve na CP abrange trabalhadores de todas as categorias profissionais Pedro Cunha

Os trabalhadores da CP, Metro de Lisboa e das empresas de transportes rodoviários de Lisboa e Porto e transportes fluviais para a Margem Sul vão avançar para uma greve parcial dia 8 de Novembro. Os serviços de passageiros da CP vão paralisar durante três horas na madrugada/manhã e três ao final do dia.

Os transportes do Metro de Lisboa, da Carris, da Soflusa e Transtejo (responsáveis pelas ligações de barco e comboio entre as duas margens do Tejo) e da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto vão parar durante algumas horas, segundo a Lusa.

No caso da CP, a greve foi decidida hoje numa reunião do Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Sector Ferroviário (SNTSF), onde os representantes das comissões de trabalhadores da CP e da REFER aprovaram um conjunto de acções de protesto contra os cortes salariais e a renegociação dos Acordos de Empresa propostos pelo Governo.

Das 5h30 às 8h30 e das 17h30 às 20h30 desse dia, estarão em greve todas as categorias profissionais da CP e REFER – operadores de bilheteira, revisores, maquinistas, administrativos e trabalhadores de manutenção.

Apesar de a paralisação só durar oficialmente seis horas, poderá afectar a circulação de comboios para além daquele intervalo de tempo. Como o período de greve não coincide necessariamente com o início ou o fim da circulação das composições (regionais, urbanas e de longo curso), a entrada ao serviço de trabalhadores em horas diferentes pode levar a que algumas composições não venham a circular ao longo de todo o dia, explica José Manuel Oliveira, coordenador do SNTSF, sindicato afecto à CGTP.

No passado, tem sido assim noutras paralisações parciais, mas, para já, a CP aguarda a recepção do pré-aviso de greve – que o SNTSF espera entregar hoje – para conhecer os termos do protesto e avaliar com mais precisão o impacto da greve. “Só depois disso podemos medir o impacto”, refere a porta-voz da transportadora, Ana Portela.

Para além da participação na greve geral de 24 de Novembro, a paralisação de dia 8 é a única que os trabalhadores prevêem. A administração da CP e os trabalhadores mantiveram, durante mais de cinco meses, um braço-de-ferro que terminou com a assinatura de um acordo que prevê a aplicação do Acordo de Empresa para ser aplicado um regime de excepção às regras da função pública na gestão do trabalho extraordinário.

O anterior Governo propunha a redução da remuneração do trabalho extraordinário, em dias de descanso e feriados, mas a decisão foi longamente contestada pelos trabalhadores em greves parciais e totais que se prolongaram durante vários meses.

O Governo quer agora renegociar os acordos com as empresas do Sector Empresarial do Estado, que o sindicato volta a contestar. No Plano Estratégico dos Transportes, o Ministério da Economia e Emprego diz existirem “fortes constrangimentos e ineficiências na gestão do tempo de trabalho” e propõe celebrar “novos acordos de empresa, adequados à situação financeira das empresas”.