Daniel Rocha/arquivo
Foto
Daniel Rocha/arquivo

Megafone

"Mais do que insatisfeitos, sejamos trabalhadores"

Temos de ser capazes de olhar para além do nosso umbigo, para além da nossa carteira, para além do nosso círculo de amigos e dos nossos hábitos

Este sábado, dia 15 de Outubro, um pouco por todo o mundo, haverá gente em praças, ruas e avenidas de muitas cidades, num protesto mundial pacífico, reclamando por aquilo que apelidam de "verdadeira democracia".

Os movimentos que organizaram esta manifestação mundial entendem que a austeridade não resolve os problemas económicos actuais e consideram que a crise não é apenas económica, mas sobretudo política, nomeadamente no que respeita ao projecto europeu. 

Por isso, exigem a substituição do modelo de democracia representativa existente, que dizem estar ultrapassado, e reclamam a democratização da economia, fundada num novo modelo assente em duas premissas: a garantia de acesso incondicional ao rendimento e o livre e efectivo acesso aos direitos sociais e políticos. Sou dos que acreditam que a apatia e o conformismo não são solução para coisa nenhuma.

PÚBLICO -
Foto
Mais do que lutadores pacíficos, sejamos trabalhadores afincados, diz Maria de Deus Botelho Daniel Rocha/arquivo

Sou apologista das reclamações, das manifestações de protesto e das exigências de cumprimento do assumido, desde que tudo se faça sem violência, com urbanidade e respeito pelo outro. Mas tenho para mim que, num momento como o actual, a forma de ultrapassarmos este estado de coisas não passa pela saída para a rua, não envolve gritos de revolta (ainda que justamente a sintamos) nem palavras de ordem contra isto ou aquilo. Nos tempos que correm deve haver, de todos e de cada um, um particular sentido de responsabilidade.

Todos somos parte da solução, todos temos um papel enquanto intervenientes na mudança. Mas, para que cumpramos a nossa parte, temos de ser capazes de olhar para além do nosso umbigo, para além da nossa carteira, para além do nosso círculo de amigos e dos nossos hábitos.

Haverá sacrifícios exigidos a muitos (e, infelizmente, talvez não a todos, como se desejaria). Haverá grandes dificuldades no futuro. Haverá, seguramente (ainda), muito mais a fazer para melhorar o estado da nossa economia, do nosso país e do mundo em que vivemos.

Acredito, porém, que é possível ultrapassarmos isto, desde que o façamos com trabalho árduo e espírito de sacrifício. Mais do que lutadores pacíficos e manifestantes insatisfeitos, sejamos trabalhadores afincados e homens e mulheres modestos e contidos. Porque, apesar de tudo, ainda acredito nas palavras de Winston Churchill: "Ninguém pretende que a democracia seja perfeita ou sem defeito. Tem-se dito que a democracia é a pior forma de governo, salvo todas as demais formas que têm sido experimentadas de tempos em tempos."

Sugerir correcção