Koolhaas e o OMA esmagam Londres

Foto
Manuel Roberto

O escritório de arquitectura de Rem Koolhaas, o OMA, sedeado em Roterdão, Holanda, apresenta no Reino Unido o seu trabalho - mais do que isso, o seu método de trabalho e o seu olhar sobre o mundo.

É, tudo indica, uma exposição esmagadora e muito pouco convencional. Pela primeira vez, o escritório de arquitectura de Rem Koolhaas, o OMA, sedeado em Roterdão, Holanda, apresenta no Reino Unido o seu trabalho - mais do que isso, o seu método de trabalho e o seu olhar sobre o mundo. A exposição chama-se "OMA/Progress", acontece na Barbican Art Gallery, em Londres, tem curadoria do colectivo de design Rotor, de Bruxelas, e pode ser vista até 19 de Fevereiro de 2012.

Não é uma exposição de arquitectura "limpa". Geralmente, quando apresentam o seu trabalho, os arquitectos tentam mostrar "os edifícios prontos, e numa perspectiva favorável", explicam os Rotor no "Telegraph". O OMA não está preocupado com isso. A confusão e, espera-se, o génio do processo criativo estão aqui espelhados, entre outras coisas numa sequência contínua dos cerca de 3,5 milhões de imagens existentes nos computadores do OMA.

Há, por exemplo, um espaço completamente cheio de papéis que foram deitados para o lixo nos escritórios da equipa de Koolhaas e que os Rotor recolheram durante um mês. Na Barbican Art Gallery "há mais tralha - imagens, palavras, filmes, coisas - do que uma pessoa consegue absorver", avisa no "Observer" o crítico de arquitectura britânico Rowan Moore.

Koolhaas e o OMA - os autores da Casa da Música, no Porto - mostram o que correu bem, e o que não correu tão bem nos seus projectos, as ideias que avançaram e as que ficaram pelo caminho, e, escreve ainda Rowan Moore, olham para si próprios com uma certa dose de auto-ironia, como no filme em que mostram uma casa projectada por eles mas do ponto de vista da empregada que (com algumas dificuldades) faz a limpeza.

E como não gostam de fazer as coisas da maneira mais óbvia, abriram uma entrada da Barbican Art Gallery que nunca tinha sido utilizada, o que cria uma relação diferente do público com o espaço. Além disso, colocaram a loja no centro da exposição - "em vez de a tratarem como um acrescento embaraçoso mas obrigatório", comenta Rowan Moore.

A exposição coincide com a inauguração dos primeiros edifícios do OMA no Reino Unido (o Banco Rothschild, na City, e o Centro Maggie's para tratamento de cancro, em Glasgow) e é uma oportunidade para conhecer de perto os grandes projectos do atelier, entre os quais o quartel-general da Televisão Central da China, que deverá inaugurar no próximo ano em Pequim. Perante tudo isto, o conselho da imprensa inglesa é: se está a pensar visitar a exposição reserve... alguns dias. É que, dizem os Rotor no "Telegraph", só o livro (ainda incompleto) do atelier sobre Lagos, na Nigéria, demora uma tarde inteira a ver.