Milhares de gregos na rua na quinta greve geral de 2011

Os cidadãos gregos não têm abrandado os protestos contra o seu Governo
Fotogaleria
Os cidadãos gregos não têm abrandado os protestos contra o seu Governo Foto: Yiorgos Karahalis/Reuters
Fotogaleria
Foto: Yiorgos Karahalis/Reuters
Fotogaleria
Foto: Yiorgos Karahalis/Reuters
Fotogaleria
Foto: John Kolesidis/Reuters
Fotogaleria
Foto: John Kolesidis/Reuters
Fotogaleria
Foto: Yannis Behrakis/Reuters
Fotogaleria
Foto: Yannis Behrakis/Reuters

Milhares de gregos já começaram a manifestar-se nas ruas e os líderes sindicais garantem que este é apenas o início de uma campanha de protesto destinada a travar os cortes de emergência lançadas nas últimas semanas por um Governo que já impôs aos gregos dois anos de agravamento de imposto e de reduções salariais.

No centro de Atenas, 20 mil gregos entre funcionários públicos, reformados e estudantes participaram da marcha. Ao som de tambores e acompanhados por cartazes a pedir "o perdão da dívida", uma das palavras de ordem mais gritada é "os ricos têm de pagar".

Um grupo separado de milhares de manifestantes ligados ao partido comunista dirige-se para a praça Syntagma. Armados de bandeiras vermelhas, a sua mensagem é "Não temos empregos! Não temos direitos! Os patrões não fazem sacrifícios!"

"Não queremos este Governo. Eles enganaram-nos. Prometeram taxar os ricos e ajudar os pobres, mas não o fizeram", disse Sotiris Pelekanos, um engenheiro de 39 anos, que está a cumprir o seu dia de greve na Syntagma. "Não me importo que vamos à falência, nós já estamos falidos. É só uma questão de o Estado perceber isso", desabafou à Reuters.

Cerca de 300 manifestants entraram em confrontos com a polícia.

Notícia actualizada à 18:35
Sugerir correcção
Comentar