Em resposta a declarações de Joe Berardo

Fundação Centro Cultural de Belém nega existência de “saco azul”

Fundação Centro Cultural de Belém nega declarações de Joe Berardo
Foto
Fundação Centro Cultural de Belém nega declarações de Joe Berardo Enric Vives-Rubio/arquivo

O Conselho de Administração (CA) da Fundação Centro Cultural de Belém (FCCB) negou a existência de “qualquer ‘saco azul’” e desmentiu a opção de aplicar o dinheiro da Fundação “todo lá fora”, como referiu esta manhã em declarações à Lusa o comendador Joe Berardo. O empresário preside à Fundação de Arte Moderna e Contemporânea – Colecção Berardo, que celebrou um protocolo com o Estado, para a criação do Museu Berardo no antigo Centro de Exposições do CCB.

Em comunicado enviado às redacções, a FCCB esclareceu que as suas aplicações financeiras “foram todas realizadas junto de entidades financeiras nacionais” como o BPI e a Finantia, contrariando a informação, segundo Joe Berardo, de constarem, nas contas da FCCB, “investimentos de mais de oito milhões de euros no estrangeiro”.

O CA da FCCB adianta ainda que é das receitas próprias resultantes dessas aplicações financeiras em Portugal, “cerca de 600 mil euros” que é possível “assegurar, designadamente, o pagamento do funcionamento do Museu Colecção Berardo” que ronda os 1,4 milhões de euros por ano.

E acrescenta que os elementos referentes às aplicações financeiras da fundação “estão devidamente evidenciadas e discriminadas no Relatório e Contas relativo ao ano de 2010” que se pode consultar na Internet e “foi auditado por diversas entidades”.

O empresário diz ainda que não recebeu o dinheiro estabelecido no acordo com o Estado e que “não tem dinheiro para pagar salários este mês”, situação não mencionada pelo CCB no comunicado.