Medida foi acordada na última cimeira de líderes

Parlamento esloveno aprova ampliação do fundo de resgate europeu

Governo liderado por Borut Pahor vai enfrentar eleições antecipadas
Foto
Governo liderado por Borut Pahor vai enfrentar eleições antecipadas Srdjan Zivulovic/Reuters

O parlamento esloveno ratificou hoje o aumento de 3,66 mil milhões de euros do Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF). Este foi o primeiro de uma série de testes de fogo à proposta acordada pelo Eurogrupo em Julho.

A flexibilização do fundo de resgate europeu, actualmente com uma capacidade de 440 mil milhões de euros, foi acordada na cimeira de líderes da zona euro que teve lugar a 21 de Julho, mas aguarda ratificação de todos os 17 Estados-membros que compõem a união monetária.

A ratificação do parlamento esloveno é considerado um importante passo para a aceitação total do novo plano de reforço dos poderes do FEEF, uma vez que a possibilidade de o Governo cair estava a adensar os receios de que a decisão fosse adiada, comprometendo todo o processo de decisão ao nível comunitário.

O Governo do primeiro-ministro Borut Pahor vai mesmo a eleições antecipadas, que deverão ter lugar antes de Dezembro, avança a agência Bloomberg.

Esta semana os olhos vão estar postos na Finlândia e na Alemanha, outros dos países onde os analistas acreditam que possa haver uma maior resistência ao novo plano acordado a 21 de Julho. O Parlamento finlandês vota a proposta já amanhã, enquanto os políticos germânicos decidem na quinta-feira.

Na semana passada, o ministro das Finanças esloveno alertara para o facto de que uma rejeição do plano pudesse danificar a credibilidade da Eslovénia aos olhos dos seus parceiros europeus e investidores, bem como penalizar os esforços da zona euro em conter a crise da dívida.

A aprovação dos políticos eslovenos surge no rescaldo da decisão da agência de notação de risco de crédito Moody’s ter baixado a nota da dívida soberana deste país do Leste da Europa de Aa2 para Aa3. A agência norte-americana alegou as fracas perspectivas de crescimento económico e a instabilidade política que o país vive neste momento para justificar a sua decisão, anunciada no passado dia 23.

A Moddy’s alertou ainda para a situação delicada do sistema bancário do país, sublinhando que pode vir a necessitar de apoio do Executivo, e decidiu colocar os três maiores bancos da Eslovénia sob vigilância (outlook) negativa, o que significa que podem ver o seu rating cortado nos próximos tempos.

Sugerir correcção