Em Portugal, cerca de 50% de jovens já fizeram sexo sem preservativo Miguel Manso
Foto
Em Portugal, cerca de 50% de jovens já fizeram sexo sem preservativo Miguel Manso

Jovens europeus assumem já ter feito sexo sem protecção

Estudo revela que 42% dos jovens europeus já tiveram relações sexuais sem preservativo. Em Portugal número chega aos 50%

Quase metade dos jovens europeus já teve relações sexuais desprotegidas com novos parceiros, segundo um estudo hoje divulgado e que vem mostrar uma realidade semelhante à que se passa em Portugal.

O estudo resultou de um inquérito feito a seis mil jovens de mais de 29 países em todo o mundo e, na Europa, uma das principais conclusões é a de que 42% dos jovens tem relações sexuais desprotegidas com novos parceiros. Em Portugal, alguns inquéritos apontam para 50%.

“Pode ser por despreocupação, por não apetecer, por álcool a mais”, comentou à agência Lusa o obstetra Fernando Cirurgião, director de serviços do Hospital São Francisco Xavier. Aliás, o estudo internacional hoje divulgado indica que 11% dos jovens que não usam proteção nas relações sexuais justificam o comportamento por estarem alcoolizados ou por esquecimento.

PÚBLICO -
Foto
Estudo feito em Portugal diz que quatro em cada dez jovens não tem educação sexual nas escolasNuno Oliveira

Baixa distribuição de preservativos

O facto de o parceiro não gostar de usar métodos contraceptivos é também referido por 14% dos jovens. Para Francisco Cirurgião, em Portugal, a elevada percentagem de relações sexuais desprotegidas pode também ser culpa da falta de campanhas de informação e da debilidade da educação sexual nas escolas.

“Há muito tempo que não me lembro de ver campanhas de distribuição de preservativos. Torna-se preocupante. Não é pelo facto de ter havido uma campanha há dois anos que é suficiente. Tem de haver campanhas contínuas”, lamenta o médico.

Também a formação em educação sexual nas escolas merece críticas por parte do especialista: “Sem desprestígio de quem lá está, alguns dos professores não têm qualquer formação na área da saúde. Temos mesmo que nos debruçar sobre a educação sexual adequada nas escolas”.

Falta Educação Sexual nas escolas

Fernando Cirurgião defende ainda a existência e multiplicação de centros de atendimento para jovens, que devem ser independentes dos centros de saúde, para evitar constrangimento e permitir que os mais novos se sintam à vontade. No estudo multinacional, quase quatro em cada 10 jovens confirmam não ter educação sexual nas escolas.

Das mais de 200 milhões de gravidezes que há anualmente em todo o mundo, estima-se que 40% não são planeadas. A desproteção nas relações sexuais faz ainda com que uma em cada 20 adolescentes contraia todos os anos uma infeção bacteriana por via sexual.