Ataques aéreos e bombardeamentos fazem 151 mortos em Sirte

Forças pró-Khadafi perdem três cidades-chave no Sul da Líbia

Foto
Rebeldes em direcção a Sirte, cidade natal de Khadafi Goran Tomasevic/Reuters

A liderança interina da Líbia afirmou, nesta quinta-feira, ter o controlo de várias áreas cruciais no sul do país. O porta-voz de Khadafi contou, entretanto, que ataques aéreos da NATO e bombardeamentos dos rebeldes já mataram 151 civis em Sirte, apesar de ter sido declarada uma pausa nos avanços aos dois últimos principais bastiões de Khadafi.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Comandantes dos rebeldes disseram que as três principais cidades no oásis de Al-Jufra foram tomadas. Pretendem bloquear rotas de fuga no sul a partir de Bani Walid e Sirte, que ainda oferecem resistência.

Um porta-voz do exército rebelde garantiu por seu lado que o oásis tinha sido tomado depois de uma longa luta. “Al-Jufra – Hun, Waddan e Sokna – foi libertada”, disse. “As nossas forças tomaram Waddan na terça-feira e depois a base entre Waddan e Hun ao final da tarde de ontem. Tomámos Hun durante o dia”, contou.

O porta-voz de Khadafi disse também que ataques aéreos da NATO e bombardeamentos dos rebeldes levados a cabo ontem e hoje fizeram já 151 mortos em Sirte, cidade natal do antigo líder líbio.

Militares britânicos contaram que os seus jactos, que fazem parte das forças da NATO responsáveis pela protecção dos civis líbios, tinham como alvo “duas instalações de comando e controlo” em Sirte na quarta-feira.

Ontem, o Conselho Nacional de Transição (CNT) anunciou que as forças rebeldes tinham tomado igualmente Sheba, a maior cidade do país antes de entrar no Sara, o que pode significar que as forças pró-Khadafi que restam em Sirte e Bani Walid ficarão sem qualquer rota de fuga no sul. Segundo a liderança interina, as únicas alternativas dos apoiantes ao coronel são resistir ou enfrentar as acusações de crimes de guerra.

Entretanto, segundo o jornal britânico Financial Times, os novos líderes líbios terão encontrado cerca de 17 mil milhões de euros no Banco Central líbio. O CNT contou às autoridades britânicas que tinha descoberto 28 mil milhões de dinares (moeda nacional de vários países árabes, incluindo a Líbia), o que constitui um grande passo nos esforços do CNT para governar o país.

O primeiro-ministro interino líbio, Mahmoud Jibril, está no encontro da Assembleia Geral das Nações Unidas, a decorrer em Nova Iorque. Jibril disse esperar que um novo governo seja anunciando dentro de 10 dias.