Torne-se perito

Jardim desvaloriza intenção da PGR de analisar o caso da dívida na Madeira

Alberto João Jardim pediu ainda a intervenção do Presidente da República
Foto
Alberto João Jardim pediu ainda a intervenção do Presidente da República Daniel Rocha/arquivo

O presidente do governo regional da Madeira, Alberto João Jardim, disse hoje que não está preocupado com o anúncio da Procuradoria-Geral da República de que vai analisar o caso da omissão da dívida na região autónoma.

“Eu estou é preocupado que haja gente tão pouco inteligente e tão pouco patriota no país como essa gente que faz essas críticas”, disse Alberto João Jardim, à margem da inauguração de uma estrada em São Vicente.

Referindo-se à PGR, o líder do governo regional referiu: “Esses são meus amigos do peito que aparecem sempre no feno”.

“Não vou dormir esta noite por causa disso”, ironizou.

Alberto João Jardim pediu ainda a intervenção do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, neste assunto.

“Penso que o senhor Presidente da República está na altura de intervir para evitar que entidades do Estado estejam a intervir nas eleições da Madeira”, disse, lembrando que já fez este alerta ao chefe de Estado numa carta que lhe enviou há três meses.

A Procuradoria-Geral da República vai analisar o caso da Região Autónoma da Madeira relativamente à omissão da dívida, disse hoje à Lusa fonte oficial.

A decisão da PGR surge depois do Instituto Nacional de Estatística e do Banco de Portugal terem divulgado na sexta-feira de manhã um comunicado no qual dão conta de encargos financeiros assumidos pela Madeira que não foram nem pagos nem reportados.

Considerando a prática “grave”, as duas autoridades nacionais afirmam que esta “omissão” vai obrigar à revisão dos défices de 2008 a 2010, para incluir no défice orçamental português 1113,3 milhões de euros só nestes três anos, a maior parte (915,3 milhões de euros) a incluir em 2010 – o impacto estimado no défice de 2008 é de 139,7 milhões de euros (0,08 por cento do PIB), em 2009 é de 58,3 milhões de euros (0,03 por cento) e em 2010 é de 915,3 milhões de euros (0,53 por cento).

O primeiro-ministro afirmou, na sexta-feira à tarde, em Paris, que os factos agora conhecidos configuram “uma irregularidade grave”, afirmando que o executivo já está a elaborar legislação para que tal não se repita.

Sugerir correcção