Número de detidos na manifestação de sábado continua por determinar

Manifestantes presos em Luanda vão ter julgamento sumário

Em Jose Eduardo dos Santos "ninguém toca"
Foto
Em Jose Eduardo dos Santos "ninguém toca" Enric Vives-Rubio (arquivo)

Jovens manifestantes detidos no sábado pela polícia angolana em Luanda, durante um protesto contra o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, deverão ser nesta segunda-feira levados a tribunal para julgamento sumário. A informação foi prestada ao PÚBLICO neste domingo pelo presidente da Associação Justiça, Paz e Democracia, António Ventura.

O número de detidos e feridos na repressão violenta da manifestação continua por determinar com rigor. A Polícia Nacional informou no sábado à noite ter feito 24 prisões, mas o número rondará as 40 pessoas, que permaneciam detidas em diferentes esquadras, disse o activista. Na maior parte dos casos, as famílias dos jovens desconheciam para onde tinham sido levados.

O Bloco Democrático, onde militam professores universitários e advogados, alertou para a “gravidade da situação que se vive” e denunciou a “arbitrariedade da Polícia Nacional, sob ordens do Executivo”.

O partido, liderado por Justino Pinto de Andrade, quantificava ontem de manhã as detenções em cerca 50, entre as quais as de três organizadores da manifestação — Carbono Casimiro, Mizinge e Sábio — e de uma militante sua, Ermelinda Freitas. Dois manifestantes foram “barbaramente agredidos” e tiveram de receber assistência hospitalar, denunciou também.

O mesmo partido qualificou as detenções como “prisões políticas”, contestou a falta de acesso aos detidos e apelou a uma mobilização que leve à sua libertação. A manifestação de sábado, promovida pelo Grupo de Jovens Revolucionários, que junta poetas e cantores de rap, foi autorizada.

“Este comportamento não é novo. Já se tem dado várias vezes, a nível de falta de protecção aos cidadãos que querem manifestar ideias e opiniões contrárias às políticas ou ao Presidente. No Presidente ninguém toca”, disse António Ventura.