Selecção

Ricardo Carvalho, o "desertor", acusa Paulo Bento de ser "mercenário"

Ricardo Carvalho apresentou a sua versão dos factos
Foto
Ricardo Carvalho apresentou a sua versão dos factos DR

Ricardo Carvalho, magoado por ter sido qualificado de desertor por Paulo Bento por ter abandonado a selecção portuguesa de futebol sem justificação, disse neste sábado que poderia apelidar o seleccionador de “mercenário”.

“Sim [magoou]. É muito forte, uma linguagem militar, chamar-me desertor. Com a mesma linguagem, eu podia chamar-lhe mercenário. Quando alguém vai para guerra pago, chama-se mercenário. Eu estou na selecção por amor, ele é seleccionador porque lhe pagam. Não merecia que me tratasse dessa maneira”, disse Ricardo Carvalho em entrevista à RTP.

O defesa central do Real Madrid, que abandonou o estágio da selecção em Óbidos, a dois dias do jogo com o Chipre, depois de perceber que não seria titular, diz sentir que Paulo Bento exagerou: “Houve um certo aproveitamento do treinador de um episódio que não foi o mais correcto da minha parte, para pisar-me e massacrar-me um pouco. Isso nunca fiz”.

Depois de abandonar o hotel onde estava concentrada a equipa na quarta-feira, sem apresentar qualquer justificação, Ricardo Carvalho anunciou a sua renúncia à selecção, em comunicado enviado à agência Lusa, manifestando-se “ferido e desrespeitado” na sua dignidade.

Com 33 anos e 75 internacionalizações, Ricardo Carvalho sublinhou que tem sido um bom exemplo e que a sua reacção foi “a quente”, não compreendendo as palavras do seleccionador na conferência de imprensa da véspera do jogo nem o tempo que dispensou a falar do seu caso, porque “Paulo Bento teve 24 horas”.

“Foi um sentimento muito forte que tive. Foi a quente. Quando cheguei do treino, achei que não me tinham respeitado, senti que estava a mais, fizeram-me sentir assim. Cheguei ao quarto e nem troquei de roupa. Não foi nada premeditado, estava com cabeça quente e não falei com ninguém. Foi o meu grande erro, não me passou pela cabeça. Estava tão desorientado naquele momento”, explicou Ricardo Carvalho.

O defesa disse que sentiu que “foi uma grande injustiça”, porque “tinha treinado bem”, quando viu que a titularidade seria para Pepe, com o qual costuma partilhar o eixo da defesa no Real Madrid, sublinhando que nada tem contra o colega.

Ricardo Carvalho lembrou que, quando outros optaram por sair da selecção, preferiu ficar, sendo um dos mais velhos do grupo, e não fecha as portas a um eventual regresso. “Um dia mais tarde, se acharem que posso ser útil, estou disponível”, afirmou.

O jogador do Real Madrid revelou também que já falou com José Mourinho sobre o incidente na selecção nacional. “Sim, já falei com José Mourinho e também com várias pessoas em Madrid. Falei com colegas meus que me deram apoio e disseram que me respeitavam”, adiantou o central do Real que frisou, ainda, que nos últimos dias nem conseguiu descansar.

Na sexta-feira, com Pepe e Bruno Alves como defesas centrais, Portugal goleou o Chiopre, em Nicósia, por 4-0, e manteve-se na liderança do Grupo H de qualificação para o Euro 2012, em igualdade com a Noruega, com 13 pontos.