Desporto

Governo constitui três grupos de trabalho para avaliar futebol

Foto: Rui Gaudêncio
Foto
Foto: Rui Gaudêncio

Miguel Relvas, ministro Adjunto e dos Assuntos Parlamentares, que tutela o desporto, anunciou a constituição de três grupos de trabalho dedicados para avaliar o futebol.

“O primeiro grupo de trabalho diz respeito à protecção das selecções nacionais e dos jogadores mais jovens, que será coordenado por José Luis Arnaut, o segundo grupo terá como objectivo a avaliação de eventuais alterações ao regime jurídico e fiscal das Sociedades Anónimas Desportivas e será dirigido por Paulo Olavo Cunha”, começou por dizer Miguel Relvas. O terceiro grupo de trabalho irá fazer a avaliação da profissionalização ou não dos árbitros, e terá como coordenador João Leal Amado, professor da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra.

Após uma reunião com o presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, Fernando Gomes, e com o secretário de Estado do Desporto e Juventude, Alexandre Mestre, Miguel Relvas disse que os grupos de trabalho têm o prazo de 45 dias para apresentar “a avaliação e propostas” nas áreas a que dizem respeito.

Miguel Relvas explicou ainda aos jornalistas, após a reunião realizada no Conselho de Ministros, que elementos do Comité Olímpico de Portugal e da Confederação do Desporto vão estar igualmente presentes nos grupos de trabalho, já que se trata de assuntos “que dizem respeito ao desporto e não somente ao futebol”.

Questionado acerca do tema da arbitragem, na ordem do dia por causa das críticas do Sporting aos árbitros e do boicote do juiz designado para dirigir o jogo da segunda jornada dos “leões”, Miguel Relvas disse que só os temas que levaram à constituição dos grupos de trabalho foram abordados.

Miguel Relvas salientou também que a constituição destes grupos de trabalho “não são para criar adiamentos”, referindo que os 45 dias de prazo limite para entrada de propostas, após o despacho de constituição, tem a ver com “a necessidade e vontade de caminhar com rapidez” nesta área.

Já o presidente da Liga Portuguesa Futebol Profissional, Fernando Gomes, começou por agradecer a disponibilidade do governo em tratar dos assuntos do futebol que o preocupam. “Trata-se da abordagem de várias matérias ligadas ao futebol, e é com satisfação que vemos a preocupação do governo em dar respostas à área que gerimos”, sublinhou Fernando Gomes.

O responsável da Liga explicou ainda que a utilização de jogadores estrangeiros no futebol nacional é uma preocupação do organismo que já não é nova e que continua a merecer a sua atenção. “Manifestámos preocupação sobre a utilização excessiva de jogadores estrangeiros. Já o fizemos no início da época após um estudo da Universidade Católica, cuja conclusão demonstrava isso mesmo: a utilização excessiva de jogadores não nacionais”, afirmou.