Mundial sub-20

Portugal perde a final no prolongamento

Nelson Oliveira foi considerado o segundo melhor jogador da prova
Foto
Nelson Oliveira foi considerado o segundo melhor jogador da prova Reuters

Esteve perto de ser o tricampeonato para Portugal, mas o Brasil ganhou a final do Mundial de futebol de sub-20, vencendo por 3-2, após prolongamento.

É o quinto título dos brasileiros na categoria, conquistado numa final intensa, de resultado incerto até ao fim e em que a selecção portuguesa só caiu na segunda parte do prolongamento.

A equipa de Ilídio Vale deixa a Colômbia como vice-campeã mundial, a segunda melhor posição da sua história, só batida pelos títulos de 1989 e 1991.

A final era o confronto entre a melhor defesa e o melhor ataque. E começou por cair para o lado brasileiro. Portugal, que ainda não tinha sofrido qualquer golo neste Mundial, não resistiu sequer cinco minutos ao Brasil: Óscar apontou um livre do lado direito e a bola entrou na baliza portuguesa, com Sérgio Oliveira a ser o último a tocar na bola – a FIFA atribuiu o golo a Óscar.

A selecção portuguesa, no entanto, reagiu muito bem à primeira situação de desvantagem neste Mundial. Quatro minutos depois, Nélson Oliveira assistiu Alex, que repôs a igualdade (9’).

O empate permitiu a Portugal não se desviar da estratégia inicial, assente num bloco compacto a defender.

O Brasil voltou a assustar logo a seguir, com a bola a bater na trave, num lance em que Mika evitou o golo “in extremis”, ficando até a dúvida sobre a se a bola entrou ou não na baliza.

Com a defesa portuguesa a dar cada vez menos espaço ao ataque adversário, o Brasil começou a tentar remates de longe, como fez William (20’, para boa defesa de Mika) e Juan Jesus (43’).

Pelo meio, Portugal conseguiu finalmente estender-se no campo e forçou o Brasil a recuar, criando um par de boas oportunidades, sempre com Nélson Oliveira como protagonista.

O avançado do Benfica rematou duas vezes por cima (35’ e 39’) e noutra ocasião foi desarmado quando se preparava para marcar (36’).

Nélson Oliveira inventa o 2-1

Ao intervalo, o Brasil fez duas substituições, apostando mais no ataque, com Danilo (contratado pelo FC Porto ao Santos) a passar de lateral-direito para o meio-campo.

Portugal cedeu a iniciativa de jogo e no contra-ataque chegou à vantagem. Nélson Oliveira foi novamente o protagonista: o avançado correu um quarto de campo sozinho contra os defesas brasileiros e, já com pouco ângulo, rematou, com o guarda-redes brasileiro a não segurar a bola.

Em vantagem, e mesmo com um lateral-direito adaptado (Cédric saiu lesionado e Pelé teve de fazer o lugar), Portugal conseguiu durante longos minutos “secar” o ataque brasileiro e até poderia ter ampliado a vantagem no contra-ataque, com o guarda-redes brasileiro a evitar o golo de Nélson Oliveira (73’).

E quando Portugal já contava os minutos para o final, o Brasil repôs o empate, com Óscar a marcar na recarga, após cruzamento de Dudu defendido por Mika para a frente (78’).

Foi, assim, necessário recorrer ao prolongamento, em que a selecção portuguesa até dispôs da primeira grande oportunidade. Só que Caetano, isolado perante Gabriel, tentou o chapéu e permitiu a defesa ao guarda-redes (97’).

Já o Brasil teve mais capacidade física e também mais sorte. Aos 111’, Óscar queria fazer um cruzamento e a bola entrou directamente na baliza, passando por cima de Mika.

Portugal acabou mesmo o jogo reduzido a dez elementos, porque Danilo saiu lesionado a cinco minutos do fim, quando já estavam esgotadas as substituições. E o Brasil até podia ter feito o 4-2, não fosse Mika defender o remate de Henrique (118’). Mas já não foi preciso mais nada para os brasileiros vencerem, ao contrário do que aconteceu em Lisboa há 20 anos.

POSITIVONelson Oliveira

Decisivo nos golos de Portugal. Assistiu no primeiro e marcou o segundo. É o mais talentoso desta selecção e terminou Mundial como melhor marcador da equipa, com quatro golos.


Danilo

Joga como médio-defensivo e é o pêndulo da selecção. Muito forte fisicamente, sabe também passar a bola. Mário Rui e Alex também se destacaram.


Nuno Reis

Foi a referência da defesa de Portugal no Mundial e na final não fugiu à regra, com sobriedade e excelente sentido de colocação.


Óscar

Esteve nos três golos do Brasil e isso diz tudo. Dudu também foi importante para a “canarinha” obrigar ao prolongamento.


NEGATIVO
Caetano

Não entrou bem em jogo e falhou a melhor oportunidade portuguesa no prolongamento.


Ficha de jogo

Brasil 3Portugal 2

Jogo no Estádio Nemésio Camacho “El Campín”, em Bogotá (Colômbia).

Brasil

Gabriel; Danilo, Bruno Uvini, Juan Jesus, Gabriel Silva (Allan, 46’); Fernando, Casemiro, Willian (Negueba, 46’), Óscar; Coutinho (Dudu, 62’), Henrique. Treinador: Ney Franco.

Portugal

Mika; Cédric (Júlio Alves, 57’), Nuno Reis, Roderick, Mário Rui; Danilo, Pelé, Saná (Dias, 100’); Sérgio Oliveira, Alex (Caetano, 82’), Nélson Oliveira. Treinador: Ilídio Vale

Árbitro: Mark Geiger (EUA).Amarelos: Roderick (28’), Pelé (36’), Sérgio Oliveira (38’), Henrique (45+1’), Juan Jesus (75’), Júlio Alves (85’), Saná (88’), Nélson Oliveira (98’),

Golos

1-0, por Sérgio Oliveira (p.b.), aos 5’


1-1, por Alex, aos 9’


1-2, por Nelson Oliveira, aos 59’


2-2, por Óscar, aos 78’


3-2, por Óscar, aos 111’