Quase 600 milhões de euros em causa

Governo vai cobrir despesas com BPN e Madeira com fundo de pensões dos bancários

O BPN continua a afectar as contas do Estado
Foto
O BPN continua a afectar as contas do Estado Sara Matos (arquivo)

O Governo vai proceder à transferência para a esfera do Estado do fundo de pensões dos bancários, de modo a cobrir despesas inesperadas de quase 600 milhões com o BPN e a Madeira.

Na conferência de imprensa onde a troika fez a sua primeira avaliação do cumprimento do programa de ajuda externa, o líder da missão da Comissão Europeia, Jürgen Kröger, avançou que o Governo vai absorver o fundo de pensões dos bancários, uma transferência que será feita de forma progressiva.

Este ano, o fundo de pensões irá apenas cobrir despesas não previstas com o Banco Português de Negócios (BPN) e com a Madeira. “Não estamos felizes com isto, mas são situações excepcionais”, admitiu Jürgen Kröger.

O custo do BPN será, em termos líquidos, de 320 milhões de euros, enquanto as despesas com a Madeira ascendem aos 277 milhões, embora a troika não tenha esclarecido a que é que se deve este encargo extra com a região autónoma.

Jürgen Kröger não deu estimativas de quanto é que o Estado irá encaixar no próximo ano, com este processo progressivo de integração dos fundos de pensões dos bancários no Estado.