Erosão do solo

Suspensa certificação florestal em 82 mil hectares de eucalipto em Portugal

Exploração de eucalipto em Março 2010
Foto
Exploração de eucalipto em Março 2010 Quercus

Os 82 mil hectares da Altri Florestal encontram-se com o certificado internacional de gestão sustentável FSC suspenso, depois de a Quercus ter alertado para problemas de erosão do solo e de perda de espécies protegidas.

A floresta gerida pela Altri Florestal, um dos maiores produtores de pasta de papel do país, estava certificada pelo FSC (Forest Stweardship Council) desde o ano passado. Mas a Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza detectou recentemente alguns problemas que acabaram por levar à suspensão da certificação.

Em algumas zonas das regiões Centro e Norte a associação detectou “situações de erosão dos solos, plantações que não foram feitas segundo as curvas de nível e que causaram o arrastamento das camadas superiores do solo, e o corte ou derrube de espécies florestais protegidas, como o sobreiro e azinheira”, explicou Nuno Sequeira, presidente da direcção nacional da associação. Além disso, “devia existir uma maior compartimentação da floresta de eucalipto, intercalando com floresta autóctone, mais resistente a incêndios e verdadeiro refúgio da biodiversidade”, acrescentou ao PÚBLICO. Numa das propriedades da empresa, dentro do Parque Natural do Tejo Internacional, a Quercus denunciou ainda a instalação de uma cerca com arame farpado “sem passagens para a fauna selvagem”, apresentando risco para várias espécies, como o veado.

Nuno Sequeira salientou que “na vasta área gerida pela Altri há uma grande parte gerida correctamente. Mas acontece que esta certificação do FSC é muito exigente e diz respeito à totalidade da área explorada, não parcelas”.

A Quercus, membro do FSC Portugal, acredita que a suspensão do certificado vai contribuir para a empresa “melhorar e corrigir situações”. “Julgamos que a Altri tem feito algum esforço para minorar os grandes impactos da exploração intensiva de eucalipto, mas esse esforço não tem sido o suficiente”, acrescentou Nuno Sequeira.

O PÚBLICO contactou a Altri mas não foi possível obter um comentário.

Em Portugal, tem havido nos últimos anos “uma maior sensibilidade dos produtores florestais para o maior risco de incêndios, para a conservação da biodiversidade e para a protecção dos solos”, considera Nuno Sequeira. Mas como é difícil “minimizar os impactos negativos deste tipo de explorações intensivas, é preciso ter cautela. O país não tem condições, por exemplo, para um alargamento da superfície explorada”.

Esta terça-feira, outra organização para a protecção do Ambiente, a WWF Portugal, mostrou-se preocupada com a redução da área florestal certificada. A estrutura lamentou, em comunicado, a "falta de ordenamento e deficiente gestão de uma parte significativa das plantações florestais em Portugal". Como consequência, "mantém-se o elevado risco de incêndio florestal, a perda de produtividade e biodiversidade da floresta portuguesa e a escassez de matéria-prima nacional".

Sugerir correcção