Benfica

Vitória e exibição para tranquilizar os adeptos mais preocupados

Saviola marcou o último golo do Benfica frente ao PSG
Foto
Saviola marcou o último golo do Benfica frente ao PSG Melanie Map's

Foi uma impressão ligeiramente mais positiva aquela que o Benfica deixou após o quarto jogo de preparação na presente pré-época. Na primeira partida do Torneio do Guadiana, e diante do adversário mais credenciado que defrontou até ao momento, a equipa de Jorge Jesus venceu os franceses do Paris Saint-Germain por 3-1. Cardozo, Franco Jara e Saviola fizeram os golos dos “encarnados”.

A dez dias do primeiro compromisso oficial da temporada 2011-12 – o sorteio realizado nesta sexta-feira ditou que o Benfica recebe os turcos no Trabzonspor na primeira mão da terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões – o técnico Jorge Jesus repetiu a aposta feita na partida diante do Dijon (derrota por 1-2) no que à defesa diz respeito. Artur esteve na baliza, tendo à sua frente André Almeida (direita), Fábio Faria (esquerda), Miguel Vítor e Javi García. O sérvio Matic manteve o lugar à frente da defesa e Enzo Pérez voltou a jogar no lado direito do meio-campo. Bruno César foi a única novidade no “onze” inicial (Saviola começou no banco de suplentes), surgindo no lado esquerdo. Aimar ficou ao centro, no apoio aos atacantes Gaitán e Cardozo.

Diante de uma equipa que defrontou ainda há quatro meses, nos oitavos-de-final da Liga Europa (vitória 2-1 em Lisboa e empate 1-1 na capital francesa), o Benfica entrou bem e a criar maior perigo. Numa jogada rápida iniciada por Gaitán, Cardozo rematou para defesa de Douchez (10’). Logo a seguir, os “encarnados” chegaram à vantagem: Aimar surgiu na esquerda após combinação com Gaitán e assistiu o avançado paraguaio, que à segunda tentativa não desperdiçou a oportunidade.

Porém, a vantagem não durou mais de três minutos. Foi o tempo decorrido até Nenê restabelecer o empate. O brasileiro beneficiou da apatia defensiva dos “encarnados” e, na cara de Artur, fez o 1-1.

Expulsão no PSG

O equilíbrio foi a nota dominante até ao intervalo. Cardozo (17’) e Javi García (44’), ambos de livre, chegaram a ameaçar a baliza de Douchez, que viu ainda Matic (36’) cabecear a centímetros do poste. No outro lado, Hoarau e Maurice desperdiçaram a oportunidade de dar vantagem à formação orientada por Antoine Kombouaré antes do intervalo.


A segunda parte foi de domínio “encarnado”, por uma conjugação de factores. À entrada de jogadores como Nolito, Saviola e Witsel, que elevaram a qualidade do jogo, juntou-se o facto de o PSG passar a jogar em inferioridade numérica a partir dos 68’. Nos 22 minutos que esteve em campo, Sylvain Armand viu dois cartões amarelos e foi expulso, complicando as aspirações dos parisienses.

Pouco antes, Franco Jara tinha feito o 2-1 para o Benfica. O argentino concluiu uma jogada que começou com uma recuperação de bola de Witsel e passou pelos pés de Nolito. O espanhol aproveitou um erro de Camara e assistiu Jara, que recolocou os “encarnados” em vantagem.

Nolito continuou em evidência na partida, e em cima do apito final ainda assistiu Saviola para o 3-1 com que terminou a partida.

O Benfica impôs-se também nas grandes penalidades marcadas após os 90’: 4-3, com golos de Saviola, Urreta, Javi García e Nolito. Witsel permitiu a defesa a Areola.

Os “encarnados” voltam a jogar no domingo (20h45) no Torneio do Guadiana. Pela frente terão os belgas do Anderlecht.


POSITIVO e NEGATIVO

+


Gaitán
O argentino foi dos melhores no Benfica durante o tempo que esteve em campo. Bom trabalho na combinação com Aimar que deu o primeiro golo dos “encarnados”.

Nolito
O espanhol contratado ao Barcelona entrou na segunda parte e deixou muito boas indicações. Franco Jara, Urreta e Witsel (que se estreou) foram outros suplentes que deixaram uma marca positiva no jogo.

Artur
Após um ano em que a baliza foi um foco de atenção permanente, o Benfica parece ter resolvido o problema com a contratação do brasileiro ex-Sporting de Braga. Fez várias defesas importantes e não teve culpa no golo sofrido.

-


Bruno César e Enzo Pérez
Foram dois dos reforços mais caros do novo Benfica, mas continuam a demonstrar dificuldades de adaptação ao futebol europeu. Jogaram 45’ mas passaram despercebidos.
Como jogou o Benfica

1.ª parte: Artur; André Almeida, Miguel Vítor, Javi García e Fábio Faria; Matic; Enzo Pérez, Aimar e Bruno César; Gaitán e Cardozo.

2.ª parte: Artur; André Almeida, Miguel Vítor, Javi García e Fábio Faria; Matic (Nuno Coelho, 68’), Franco Jara, Witsel, Gaitán (Urreta, 59’); Saviola e Nolito.

Golos:1-0, por Cardozo, aos 11’
1-1, por Nenê, aos 14’
2-1, por Franco Jara, aos 64’
3-1, por Saviola, aos 89’

Notícia actualizada às 23h16