Prémios da Broadway

"The Book of Mormon" vence nove de catorze Tony

Andrew Rannels interpreta "I Believe" do músical vencedor "The Book of Mormon"
Foto
Andrew Rannels interpreta "I Believe" do músical vencedor "The Book of Mormon" Reuters

Criação dos autores de "South Park" vence noite de prémios de teatro. "War Horse" é a melhor peça do ano.

Foi sem surpresa que, arrecadando nove dos catorze prémios, em treze categorias, para que estava nomeada, a produção "The Book of Mormon" foi a principal vencedora da cerimónia dos Tony, no domingo à noite, em Nova Iorque, EUA. A verdadeira surpresa tinha acontecido em Março, quando esta criação inesperada dos autores da série de desenhos animados "South Park", Trey Parker e Matt Stone, fez reviver as grandes noites da Broadway em época de crise para as artes do palco.

Trata-se de um espectáculo escatológico e mordaz sobre os mórmons, a mais "esquezitóide" (weirdo) das religiões (ver texto na PÚBLICA de anteontem), que encena a viagem de dois jovens missionários ao Uganda para aí "venderem" a sua mensagem.

"Fizemos isto porque todos nós, secretamente, queríamos ter uma grande e feliz família mórmon, e agora temo-la", disse Trey Parker quando subiu ao palco do Beacon Theater para receber um dos quatro prémios que lhe foram destinados (melhor musical, melhor encenação, melhor libreto e melhor música).

A melhor peça foi "War Horse", um espectáculo de marionetas que Nick Stafford adaptou a partir de um romance de 1982 (ver caixa). A peça venceu cinco Tony (mais melhor encenação, para Marianne Elliot e Tom Morris, e ainda melhores desenho de cena e de luz, e som).

No palmarés destinado à remontagem (revival), o vencedor foi "The Normal Heart", de Larry Kramer, uma peça sobre a sida, que, inesperadamente, regressou à Broadway depois da estreia em 1985. Entre os três Tony que recebeu está o de melhor actriz para Ellen Barkin que, aos 57 anos, disse, no Beacon Theater, estar a viver "o momento de maior orgulho" da sua carreira. A actriz do filme "Perigosa Sedução" (onde contracenava com Al Pacino, curiosamente considerado um dos derrotados da noite pelo esquecimento do seu "O Mercador de Veneza") acrescentou ainda que o trabalho em "The Normal Heart" a tinha transformado, "não tanto como actriz, mas mais como ser humano".

Entre os distinguidos esteve Frances McDormand, pelo papel de mãe solteira em "Good People", que lhe valeu o primeiro Tony.

A remontagem do musical "Anything Goes" saiu da cerimónia, apresentada pelo actor Neil Patrick Harris, com três estatuetas das oito para as quais tinha sido nomeada.

O musical "How to succeed in Business without really trying", interpretado por Daniel "Harry Potter" Radcliffe que continua a tentar, sobre os palcos, atenuar a associação da sua imagem à saga baseada na personagem criada por J.K. Rowling, venceu apenas na categoria de melhor actor secundário para John Larroquette, que assim regressou à Broadway.

A direcção musical da cerimónia esteve a cargo de Bono e The Edge. Dois músicos, brincou o primeiro, que chegaram a "ser famosos" quando estavam nos U2...

Notícia corrigida às 11h32