Pritzker 2011: A noite em que Obama elogiou Souto de Moura

Souto de Moura recebe o prémio Pritzker de Arquitectura 2011
Fotogaleria
Souto de Moura recebe o prémio Pritzker de Arquitectura 2011 Rex Allen Stucky
Souto de Moura com a mulher e os filhos
Fotogaleria
Souto de Moura com a mulher e os filhos Rex Allen Stucky
O arquitecto mostra a medalha que simboliza o prémio
Fotogaleria
O arquitecto mostra a medalha que simboliza o prémio Rex Allen Stucky
Barack e Michelle Obama na cerimónia
Fotogaleria
Barack e Michelle Obama na cerimónia Jim Young/Reuters

Quantas vezes é que o nome de um arquitecto português foi incluído no discurso de um Presidente americano? É fácil: nunca tinha acontecido até ontem à noite. Barack Obama teve uma passagem breve pela cerimónia de entrega do Prémio Pritzker, em Washington, mas não fez uma alusão passageira a Eduardo Souto de Moura. O seu discurso foi um elogio do arquitecto português, até agora desconhecido nos Estados Unidos fora dos circuitos da arquitectura.

Obama descreveu Souto de Moura como alguém que “nunca se satisfaz com soluções fáceis” e com “um estilo que parece tão espontâneo quanto é belo”. Destacou o Estádio de Braga – “talvez a mais famosa obra de Eduardo” –, notando que o arquitecto demoliu parte de uma montanha e sublinhando o princípio democrático da obra: “Ele teve o cuidado de posicionar o estádio de forma a que qualquer pessoa que não pudesse comprar bilhete conseguisse ver o jogo” do exterior.

Não foi a única empatia americana que Obama apontou em Souto de Moura, que comparou a Thomas Jefferson, um dos pais fundadores dos EUA e um homem apaixonado pela arquitectura. “Como Jefferson”, disse, Souto de Moura “puxou os limites da sua arte, mas fê-lo de uma forma que serve o bem comum”.

Nos 30 anos de existência do Pritzker, conhecido como o “Nobel da arquitectura”, foi apenas a segunda vez que um Presidente americano esteve presente na entrega do prémio. Em 1998, quando o italiano Renzo Piano foi distinguido numa cerimónia realizada na Casa Branca, Bill Clinton fez um discurso político e apenas aludiu brevemente ao laureado.

Obama, que falou durante cinco minutos, com Michelle Obama a seu lado, regressou à Casa Branca imediatamente após o discurso e já não se encontrava no Mellon Auditorium quando Eduardo Souto de Moura subiu ao palco para receber a medalha de bronze do Pritzker.

Ao aceitar o prémio, o arquitecto referiu-se à “crise social e económica” que se vive em Portugal, dizendo que “a solução para a arquitectura portuguesa é emigrar”, em particular para África e outras economias emergentes.

Falando em português – com tradução simultânea para os cerca de 400 convidados –, Souto de Moura centrou-se sobretudo no seu percurso biográfico. Atribuiu a decisão de ser arquitecto a uma “crise agnóstica dos 15 anos”, em que duvidou “se Deus devia ter descansado ao sétimo dia” – frase que produziu risos na sala, ao retardador por causa da tradução.

Evocou a “experiência excepcional” de trabalhar com o mentor Siza Vieira no início da sua carreira, “não só pela arquitectura, mas sobretudo pela pessoa em si”.

Mencionou Mies van der Rohe, arquitecto do Movimento Moderno, referência maior da sua obra, como quem aponta a família a que pertence. E concluiu o discurso citando Herberto Helder. Foi breve, o que foi bem recebido pelos convidados. E o quarteto de cordas, num canto ao fundo da sala, retomou a música.

Entre os convidados: o actor Richard Gere, quatro anteriores laureados com o Pritzker –Frank Gehry, Rafael Moneo, Hans Hollein e Renzo Piano (que fez parte do júri que este ano escolheu Souto de Moura) – e o mayor de Chicago e ex-chefe de gabinete de Obama, Rahm Emanuel.

Sugerir correcção