Peixe panqueca entre as dez espécies mais singulares descobertas em 2010

Foto
Uma imagem do peixe Halieutichthys intermedius captada por uma das pessoas que o descobriu Foto: Prosanta Chakrabarty

Esta espécie de peixe Halieutichthys intermedius foi descoberta pouco tempo antes da maré negra do Golfo do México, em 2010, e “toda a sua área de distribuição se limita à região afectada pela maré negra”, explica o Instituto Internacional para a Exploração das Espécies, da Universidade do Arizona. Todos os anos, este instituto divulga a lista das dez espécies mais singulares ou que representem a diversidade biológica que foram descritas no ano transacto.

A aranha Caerostris darwini, que também faz parte da lista, vive em Madagáscar e constrói das maiores teias conhecidas até agora. Uma delas media mais de 30 metros.

Os 14 especialistas seleccionaram ainda o lagarto Varanus bitatawa, encontrado nas florestas das Filipinas. Esta espécie “pode medir mais de dois metros e pesar dez quilos”, salienta a universidade. “É impressionante pensar que um animal deste tamanho tenha passado desapercebido aos biólogos que estudaram aquela área, possivelmente porque passa a maior parte do tempo nas árvores”, acrescenta.

Fazem ainda parte da lista os cogumelos bioluminescentes Mycena luxaeterna (Brasil), as bactérias Halomonas titanicae (sem informação sobre a localização), o grilo polinizador Glomeremus orchidophilus (Ilha Reunião, no Oceano Índico), o mamífero Philantomba walteri (Benim), a sanguessuga Tyrannobdella rex (Peru), o cogumelo aquático Psathyrella aquática (Estados Unidos) e a barata Saltoblattella montistabularis (África do Sul).