DR
Foto
DR

Homofobia é uma realidade dentro das escolas

Relatório do Observatório de Educação LGBT revela que o número de denúncias aumentou quase 12 por cento entre 2008 e 2010

A escola continua a ser o principal palco dos casos de homofobia e transfobia que chegam à rede ex aequo – associação de jovens lésbicas, gays, bissexuais, transgéneros e simpatizantes, de acordo com os dados do relatório do Observatório de Educação LGBT.

O relatório é feito a partir do contributo voluntário de jovens que tenham preenchido online um formulário que está disponível no site da ex aequo. O documento de 2010 tem como base 103 formulários, isto é, mais 11 do que os recebidos em 2008, aquando do último relatório.

Mais denúncias

PÚBLICO -
Foto
A última manifestação juntou algumas centenas de pessoas

O mesmo documento sobre agressões deste tipo em meio escolar – que a associação publica a cada dois anos através do seu observatório – revela que o número de denúncias aumentou quase 12 por cento entre 2008 e 2010.

PÚBLICO -
Foto
Relatório revela um número alarmante de testemunhas de agressões físicas relacionadas com homofobia

E esclarece que a homofobia ou transfobia se traduz em “situações de discriminação de qualquer cariz”, desde que tenham como base a orientação sexual de uma pessoa ou a sua identidade de género.

Alunos são os que mais denunciam

Quanto a idades, foram recebidas denúncias de jovens a partir dos 13 anos e ainda de adultos com mais de 30 anos. Na sua maioria eram alunos (82 por cento) do ensino secundário ou superior (mais de 40 por cento cada), mas também professores e outros funcionários dos estabelecimentos educativos, sobretudo das zonas de Lisboa e Setúbal, que perfazem 55 por cento das queixas recebidas.

Lê o artigo completo no PÚBLICO.