Escritor chinês Liao Yiwu proibido de viajar para a Austrália

DR
Foto
DR

Escritor ia participar no Festival de Escritores que se realiza na próxima semana em Sidney

O escritor chinês Liao Yiwu foi impedido de abandonar a China quando tentava viajar para a Austrália para participar no Festival de Escritores, que se realiza na próxima semana em Sidney.

Esta é a segunda vez que as autoridades chinesas impedem Liao Yiwu de participar em eventos literários internacionais. O mês passado, o escritor deveria ter estado presente no festival norte-americano PEN World Voices, em Nova Iorque, mas também não pôde abandonar a China.

"O Festival de Escritores está muito desiludido com esta decisão", escreve o director artístico Chip Rolley, no site oficial do evento. "A nossa preocupação principal vai para o Liao Yiwu, a quem lhe foi negado o direito fundamental de se expressar livremente. Estamos chocados com a ordem do Governo chinês, que não permite que o escritor exponha o seu trabalho internacionalmente", acrescentou.

Liao Yiwu foi convidado a apresentar na Austrália o seu mais recente trabalho, "The Corpse Walker", bem como a ler a sua poesia ao público - trabalhos polémicos e censurados na China, mas que estão traduzidos em inglês, alemão, francês, japonês e espanhol.

Segundo a organização literária PEN, o escritor chinês corre ainda o risco de vir a ser preso quando o seu novo livro "God is Red" chegar às bancas em Agosto, uma vez que Liao Yiwua conta a história do cristianismo na China, um tema que pode não agradar o Governo chinês.

A organização explica ainda, segundo o diário britânico "The Guardian", que, nos últimos três anos, foram negadas ao escritor 14 saídas do país para participar em eventos literários internacionais, chegando mesmo as autoridades a obrigarem a saída de Liao Yiwua de um avião pronto a levantar voo.

Num email enviado à PEN, Liao Yiwua mostrou a sua insatisfação e garantiu que não vai desistir de lutar pela liberdade de expressão. "Eu sou um escritor e nunca me considerei um dissidente político. Para ganhar e preservar a nossa liberdade e dignidade, não há outra forma que não seja lutar."

De acordo com dados da PEN, existem 49 escritores em prisão, detidos ou em prisão domiciliária na China, incluindo o Nobel da Paz Liu Xiaobo.

Esta é a mais recente detenção polémica, depois da detenção do artista Ai Weiwei no mês passado, alertando a comunidade internacional para a pressão existente na China sobre os artistas, escritores e todos os intelectuais com ideias contrárias às do Governo chinês.