Futebol

Troféu da Liga Europa vem para o Norte de Portugal

Custódio fez o único golo da noite em Braga
Foto
Custódio fez o único golo da noite em Braga Reuters

A primeira final europeia da história entre clubes portugueses vai colocar frente a frente o FC Porto e o Sp. Braga. Os “dragões” perderam em Espanha por 3-2 com o Villarreal, mas tiveram sempre a eliminatória na mão; os bracarenses bateram o Benfica pela margem mínima (1-0) e confirmaram o estatuto de grande sensação da prova.

Em Braga, o Benfica levava vantagem (2-1) na eliminatória e até entrou melhor no jogo, mas o golo de Custódio aos 18 minutos, na sequência de um canto, virou os dados a favor da equipa da casa. A partir daí, os bracarenses, mais frios, controlaram as operações e minimizaram a reacção dos “encarnados”.

Na segunda parte, o Benfica entrou sem rasgo e nem as substituições de Jorge Jesus (entraram Jara e Kardec) surtiram efeito, tendo até sido o Braga, nos últimos 10 minutos, a testar os reflexos de Roberto.

Do lado do Benfica, um cabeceamento de Kardec salvo sobre a linha de golo foi a nota de maior registo. Muito pouco para derrubar um Braga que se assumiu, em definitivo, como a grande revelação desta Liga Europa. (Leia a crónica de jogo: Sp. é um grande na Europa).

Na final, o último teste de fogo dos minhotos será frente ao campeão nacional, num duelo português. Em Dublin, a 18 de Maio, o Braga encontrará um FC Porto que até esteve em vantagem em Vila-real (2-1), mas que permitiu a reviravolta no marcador.

O Villarreal entrou a todo o gás no encontro e fez o 1-0 aos 17’, por Cani, num lance em que ficou a sensação de haver fora-de-jogo. Os espanhóis carregavam e o FC Porto defendia como podia. Mas, num lance afortunado, Hulk empatou a partida aos 40’, num remate de fora da área que ainda sofreu um desvio.

No arranque do segundo tempo, foi Falcao a mostrar os dotes de predador de área, correspondendo a um bom cruzamento de Guarín com o quinto golo marcado aos espanhóis na eliminatória. O Villarreal respondeu por Capdevila, num remate à queima-roupa que Helton não conseguiu suster e fez o 3-2 de penálti, por Rossi. Mas o finalista já há muito havia sido encontrado. (Leia a crónica de jogo: Uma ligeira turbulência na escala do FC Porto a caminho de Dublin).

Em Dublin, no dia 18 de Maio, ficará a saber-se se o troféu ficará guardado mais ou menos a Norte do país. No Minho ou no Porto.