Liga dos Campeões

Empate qualifica Barcelona para a final e alimenta queixas do Real de Mourinho

Melhores oportunidades do Barça
Real fala de golo mal anulado
Ronaldo revoltado

Os jogadores do Barça festejam um apuramento contestado pelo Real Madrid
Foto
Os jogadores do Barça festejam um apuramento contestado pelo Real Madrid Reuters

O Barcelona é provavelmente a melhor equipa do mundo, mas o Real Madrid tem argumentos futebolísticos para incomodar os catalães. Esta é uma das conclusões que se podem tirar do empate de ontem (1-1) em Camp Nou, que deu aos catalães um previsível apuramento para a final da Liga dos Campeões, mas mostrou um Real Madrid que soube cair com honra.

Castigado pela UEFA, José Mourinho assistiu pela televisão, no hotel da equipa, a um jogo que permite alimentar as narrativas defendidas nos últimos tempos pelos dois grandes clubes espanhóis.

Os adeptos catalães hão-de ver no encontro de ontem mais uma prova da superioridade futebolística do Barcelona, ancorados em três ou quatro ideias. As melhores oportunidades pertenceram à formação de Guardiola, que terminou o encontro com muito mais remates (11 contra 3) e mais posse de bola (64 por centro contra 36). No jogo das polémicas de arbitragem, os catalães deitarão também mão à dureza do adversário (31 faltas cometidas) e podem acenar com a condescendência do árbitro, que evitou a todo o custo expulsar Ricardo Carvalho e Lass Diarra, permitindo assim que o Real Madrid completasse finalmente com 11 jogadores um dos encontros deste ciclo contra o Barça.

Perspectiva bem diferente terão os adeptos do Real Madrid. Esses dirão que 11 contra 11 o "Barça" não ganhou ao Real, lembrarão que o árbitro belga Frank de Bleeckere anulou um golo (legal) a Higuaín e sublinharão, como ontem fez Casillas, que o empate em Camp Nou poderia ter significado o apuramento para a final.

"Lembro-me do jogo da primeira mão. Se tivesse acabado 0-0 [resultado antes da expulsão de Pepe], estaríamos na final. 11 contra 11, o Real não teve complexos", disse Casillas. "Isto era a Missão Impossível 4. O golo do Higuaín era legal", acrescentou Ronaldo.

O jogo de Camp Nou foi interessante e teve várias nuances. Mourinho recuperou a táctica habitual (4-2-3-1), lançou Kaká e Higuaín como titulares e o Real Madrid foi capaz de pressionar o Barcelona, obrigando-o a coisas pouco habituais, como perdas de bola na defesa ou pontapés para o ar. Mesmo assim, só no início da segunda parte os "merengues" criaram verdadeiras oportunidades, altura em que Higuaín colocou a bola na baliza de Valdés (47"). O árbitro, porém, anulou o lance, porque numa queda, após aparente falta de Piqué (que o juiz ignorou), Ronaldo tocou em Mascherano.

Estava 0-0 e este lance poderia ter relançado a eliminatória. Mas não só não relançou, como dez minutos depois o Barcelona sentenciou a eliminatória: Pedro Rodríguez marcou, aproveitando um passe de Iniesta. O "Barça" conseguia finalmente bater Casillas, depois de o guarda-redes do Real ter feito duas grandes defesas no final da primeira parte, a remates de Villa e Messi.

Já com Özil e Adebayor em campo, o Real chegaria ao empate, com um golo de Marcelo, após Di María ter atirado ao poste (64").

O golo de nada valeu na prática, mas serviu para reanimar psicologicamente um Real que somou uma derrota, uma vitória e dois empates neste ciclo de quatro jogos com o Barça, apesar de só ter ficado com a Taça do Rei e de os catalães se poderem gabar de ter o campeonato na mão e de estarem na final da Liga dos Campeões.

E a nova polémica permite a Mourinho e aos seus contraporem ao futebol do "Barça" a polémica com a arbitragem. "Na próxima temporada, é melhor que dêem logo a taça ao "Barça"", vociferou ontem Ronaldo, que desta vez seguiu o guião de Mourinho, optando por criticar o árbitro e não a táctica do técnico. Cristiano tentou até amenizar o choque com o treinador, depois de na primeira mão ter contestado a táctica defensiva, qualificando o caso como "uma tempestade num copo de água".