Resultados de 2010

Refer com prejuízos de 146,5 milhões de euros em 2010

Rede ferroviária nacional tem uma extensão de 3619 quilómetros
Foto
Rede ferroviária nacional tem uma extensão de 3619 quilómetros PÚBLICO

A Refer, empresa que gere a Rede ferroviária nacional, fechou o ano de 2010 com resultados líquidos negativos de 146,5 milhões de euros. A empresa divulgou hoje os resultados do exercício que fica marcado pelo aumento dos níveis de endividamento.

Os rendimentos operacionais da empresa atingiram os 123, 3 milhões de euros em 2010, mas os custos por essa mesma operação ascenderam aos 232 milhões de euros - o que conduz a um resultado operacional negativo de 108 milhões. A estas contas soma-se o agravamento da divida da empresa, que necessitou de reforçar o credito de curto prazo para fazer face aos seus compromissos.

Segundo o relatório divulgado hoje ao mercado, a empresa, o total do passivo registou um incremento de 787 milhões de euros, “devido essencialmente ao aumento registado no passivo corrente - financiamento de curto prazo, que resulta da necessidade de recorrer a financiamento de curto prazo para financiar a actividade de investimento”. Em 2009 a divida de longo prazo no total da divida era de 90 por cento, em 2010 este rácio passou a ser de 78 por cento.

Os rendimentos da actividade de Gestão de Infra-estruturas mantiveram-se em 2010 em níveis muito semelhantes ao ano anterior, registando um aumento marginal de um por cento – cerca de 1,6 milhões de euros. Os rendimentos de gestão totalizam 109,3 milhões de euros (contra os 107,7 milhões de euros registados em 2009), tendo sido o aumento de tarifas cobrados aos clientes (onde a CP assume uma clara predominância) a rubrica que mais contribuiu para este aumento.

Em termos de indemnizações compensatórias pela prestação de serviço público até se registou uma diminuição, já que, apesar de se ter mantido o valor, 299 mil euros foram devolvidos em sede de pagamento de IVA (que entretanto aumentou). O total dos subsídios à exploração recebidos em 2010 foi de 36 milhões de euros.

A Refer aumentou durante o ano de 2010 a sua tarifa base, e cobrou aos seus clientes um total 61,4 milhões de euros, mais 2,4 milhões de euros do que no ano anterior.

Os gastos com o pessoal atingiram os 83,6 milhões, depois de uma redução de quatro por cento face ao ano anterior. “ Esta descida é justificada, principalmente pela diminuição de rescisões por mútuo acordo. O custo médio por trabalhador da actividade gestão da infra-estrutura diminuiu dois por cento em 2010, uma vez este ano o valor registado foi de 30 mil euros, por trabalhador.

A actividade de Investimentos aumentou 31 por cento o seu peso no total de gastos, indicando a Refer no seu relatório que ele atingiu os 15,2 milhões de euros.

Segundo o relatório da Refer, “o continuado deficit da actividade leva ao aumento dos níveis de endividamento de Curto e Médio e Longo Prazo, os quais registaram um incremento de 487 milhões de euros face a 2009, sendo as necessidades totais de 493 milhões de euros”.

Para 2011 a empresa prevê um travão a fundo na actividade de investimento em cerca de 65 por cento, imposta pelo Plano de Estabilidade e Crescimento em cerca de 65 por cento. A Refer estima ser possível diminuir os custos operacionais em cerca de 15por cento, face ao ano de 2010, e reduzir o défice de exploração