Floresta

Governo quer apresentar em Maio modelo de gestão que rentabilize baldios

Os baldios representam cerca de 330 mil hectares da floresta portuguesa
Foto
Os baldios representam cerca de 330 mil hectares da floresta portuguesa Foto: Daniel Rocha/arquivo

O Governo pretende apresentar até ao final de Maio um modelo de gestão dos baldios que permita rentabilizar mais aqueles terrenos, disse ontem o secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural.

“Nesta altura Portugal necessita criar mais riqueza interna. Estes terrenos comunitários [baldios] podem fazê-lo, sendo criadas condições para criar mais e melhor floresta”, justificou Rui Pedro Barreiro.

O secretário de Estado falava depois de uma reunião da Comissão de Acompanhamento do Programa Nacional para a Valorização dos Territórios Comunitários, na qual foi debatido um conjunto de propostas de rentabilização dos terrenos baldios.

A delimitação dos baldios, o recenseamento de todas as comissões de compartes (entidades que gerem estes terrenos) e a procura de novas formas de gestão dos terrenos, foram os principais temas discutidos na reunião.

“Queremos tornar este processo mais transparente e actual. Acreditamos que é possível avançar com outras formas de gestão que possam rentabilizar mais os terrenos baldios”, apontou.

O governante adiantou que a gestão poderá ser entregue a entidades administradoras de baldios, cooperativas, autarquias ou ainda a empresas privadas.

Rui Pedro Barreiro referiu ainda que as propostas para a gestão dos baldios vão ser estudadas até ao final do Maio por um grupo de trabalho específico.

De acordo com o Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas, os terrenos baldios representam cerca de 330 mil hectares da floresta portuguesa, estando registadas 802 unidades de terreno com estas características.