Torres Vedras

Ministra lança ao rio Alcabrichel peixes criados em viveiros para combater risco de extinção

A ministra defendeu a necessidade de ter em conta a preservação das espécies nos modelos de desenvolvimento
Foto
A ministra defendeu a necessidade de ter em conta a preservação das espécies nos modelos de desenvolvimento Foto: Nuno Ferreira Santos/arquivo

A ministra do Ambiente disse hoje que é necessário combater a extinção de espécies ao associar-se à acção de repovoamento no rio Alcabrichel, Torres Vedras, da Boga do Oeste que esteve a ser reproduzida em viveiros por estar ameaçada.

“Não podemos compactuar com situações que voltem a pôr em causa a presença do ruivaco [também conhecido por Boga do Oeste] nos rios do Oeste”, afirmou à agência Lusa a ministra do Ambiente, Dulce Pássaro.

O modelo de desenvolvimento nacional “desajustado nos últimos anos levou a que esta espécie ficasse em estado crítico e em risco de extinção”, disse, sublinhando a necessidade de ter em conta a preservação das espécies nos actuais e futuros modelos de desenvolvimento.

O projecto de repovoamento da Boga do Oeste - com a intervenção da associação ambientalista Quercus, de privados e do Centro de Biociências do Instituto de Psicologia Aplicada (ISPA) - foi iniciado há cerca de dois anos com a recolha de exemplares, a realização de acções de limpeza das margens do rio e com a reprodução em cativeiro da Boga do Oeste.

As margens do rio foram limpas e consolidadas e as canas substituídas por árvores características destas zonas ribeirinhas, como é o caso dos choupos, para permitir a circulação e uma maior oxigenação da água, combatendo assim a elevada mortandade dos peixes, causada não só pela poluição como também pela falta de limpeza.

A Boga do Oeste esteve nos últimos dois anos a ser reproduzida na Estação Aquícola de Campelo (Figueiró dos Vinhos) do Centro de Biociências, tendo sido reproduzidos na ordem dos 200 a 600 dos 87 exemplares inicialmente recolhidos.

As condições foram criadas para permitir lançar agora ao rio meio milhar de peixes que vão começar a reproduzir-se e a fazer o repovoamento do rio.

A Boga do Oeste, que habita há cinco milhões de anos o rio Alcabrichel - um dos três rios portugueses onde a espécie está confinada - começou a desaparecer devido a problemas de poluição das águas, causada pela descarga de águas residuais sem tratamento. Além disso, o escasso caudal de água nestes rios, durante o Verão, cria problemas de sobrevivência para os próprios peixes.

Após este primeiro repovoamento, o projecto vai continuar com acções regulares de monitorização das águas para aferir o grau de reprodução ou de mortandade dos peixes, em função das condições naturais existentes.