Valentim Quaresma

O veterano que se estreia em nome próprio no laboratório da ModaLisboa

Não é apenas um criador de jóias. É um artista plástico que faz joalharia e escultura. Mas foram as jóias criadas durante "uma vida" para acompanhar as colecções de pronto-a-vestir de Ana Salazar que lhe deram protagonismo no mundo da moda. Essa colaboração chegou ao fim, "de forma saudável" simplesmente porque sentiu "necessidade de mudança", de explorar novos conceitos e materiais. Valentim Quaresma chega agora ao balcão de mármore do Museu do Design e da Moda (Mude) com uma instalação que será ponto de partida para uma colecção futura de jóias.

Com 41 anos, o criador - que desenha jóias desde os 16 anos - integra o grupo de criadores do LAB da ModaLisboa, em que se apresentam micromarcas e novas linguagens.

Hoje, às 15h, mostra o seu novo trabalho, inspirado na Alquimia e nos processos criativos dos alquimistas. "Fiz pesquisas dos materiais que usavam, com o objectivo de chegar a um conceito de criação para o meu trabalho. Quero perceber o que é que está na essência daquilo que faço", disse Valentim Quaresma ao P2. E adianta que, até aqui, o material que mais utilizou foi o metal. Agora, pô-lo de parte. Está a descobrir o vidro e o acrílico.

Valentim Quaresma diz que o que mais o fascina neste materiais é a transparência. Procura novas maneiras de os unir de forma eficaz. "Não é fácil unir o vidro ao metal, mas já tenho alguns resultados satisfatórios".

Hoje em dia a sua actividade vai muito para além da simples jóia que se pode usar. Pode tocar áreas, como a escultura ou fotografia. "Sou um artista plástico: faço jóias e escultura", esclarece. Neste momento tem uma exposição de escultura/joalharia em Londres, na galeria da Fiat Marylebone. E no final do mês, novas peças suas vão estar expostas na galeria Praça das Flores, em Lisboa.

Ana Salazar fez desfilar ontem a sua colecção para o Outono/Inverno na ModaLisboa mas sem as peças de Valentim, que durante anos complementou a roupa da histórica criadora. "Quando estamos a trabalhar uma marca temos de ter em conta o seu estilo. Mas com a Ana Salazar foi sempre espontâneo. Trabalhámos durante tantos anos que já tínhamos uma grande cumplicidade a nível criativo".

Valentim Quaresma considera que a criação de moda de autor evoluiu muito nestes 20 anos e que a ModaLisboa teve um papel fundamental neste processo, pela capacidade de divulgação das colecções. "A organização de um desfile tem custos tão grandes que a maior parte dos criadores não os conseguia suportar. Não podia mostrar uma colecção com a qualidade que a ModaLisboa faz". Maria Antónia Ascensão