Director de universidade cai por ligação ao clã Khadafi

Foto
Saif al-Islam, filho de Khadafi, é suspeito de plágio na sua tese da LSE Rick Loomis/Los Angeles Times/MCT

A polémica e embaraço causados pela associação da London School of Economics, prestigiada escola de economia da Universidade de Londres, ao clã Khadafi e ao regime líbio forçaram já a demissão do seu director, Howard Davies, que anunciou a sua saída para "proteger a reputação" da instituição a que presidia desde 2003.

Sob a pressão da academia, dos políticos britânicos e da opinião pública, a London School of Economics (LSE) iniciou uma série de investigações, destinadas a clarificar as relações económicas entre aquela instituição e o regime de Muammar Khadafi. Como acusou a associação de estudantes, "revelações recentes sobre o relacionamento dos escalões superiores desta escola com a família Khadafi mostram que ele era bem mais profundo e perverso do que imaginávamos".

O inquérito será conduzido por um painel independente, liderado por Lord Harry Woolf, antigo juiz do Supremo, que também foi instruído para desenhar novos critérios para os donativos internacionais que são dirigidos àquela escola.

Em causa estão, entre outros pagamentos, 2,2 milhões de libras devidas à LSE no âmbito de um contrato firmado com o Governo de Muammar Khadafi para a formação de "profissionais e funcionários públicos" da Líbia e outros 1,5 milhões de libras recebidos a título de donativo da Fundação Khadafi para a Caridade e o Desenvolvimento, para o estabelecimento de um programa dedicado ao Norte de África na LSE.

Howard Davies desculpou-se pelo facto, confessando que na altura lhe pareceu "razoável" aceitar esse dinheiro mas concedeu que a sua decisão acabou por se revelar "um erro tremendo". "Havia certamente riscos associados ao financiamento através de fontes líbias e esses riscos deviam ter sido ponderados", reconheceu.

O director demissionário - que foi vice-governador do Banco de Inglaterra e presidente da entidade reguladora do sector financeiro - também pediu desculpas pelo dinheiro que recebeu, pessoalmente, por ter prestado serviços de consultoria ao Governo da Líbia. "Foi um erro de julgamento pessoal, aceitar o convite do Governo britânico para actuar como enviado económico e o subsequente convite do Governo líbio para aconselhar o fundo soberano do país. Esse foi um trabalho totalmente transparente, mas que em retrospectiva me deixa numa posição mais frágil para defender o bom nome da LSE", explicou Davies.

As investigações em curso não dizem apenas respeito ao departamento financeiro da LSE e abrangem também a "autenticidade académica" da tese de doutoramento de Saif al-Islam, o segundo filho do líder líbio e que obteve o mais alto título académico daquela escola em Setembro de 2008. Excertos da sua dissertação final, O Papel da Sociedade Civil na Democratização das Instituições Globais de Governação, uma obra de mais de 400 páginas, levantaram suspeitas de plágio.

O norte-americano Monitor Group informou que entre os vários serviços prestados ao Governo da Líbia (que pagava uma avença mensal de 250 mil dólares ao grupo fundado pelo guru Michael Porter) constava o "apoio técnico" a Saif al-Islam para a produção da sua tese.

A dissertação do filho de Khadafi surpreendeu por tecer duras críticas ao funcionamento dos Governos não-democráticos, que o estudante caracterizava como "autoritários, abusivos e não-representativos".