“Eu amo Hitler”, disse o designer de moda

Casa Dior despede John Galliano por declarações pró-Hitler

Foto
Foto: Gonzalo Fuentes/Reuters

John Galliano foi despedido pela casa Dior, na sequência da divulgação de um vídeo em que o designer de moda diz amar Adolf Hitler. O britânico estava suspenso de funções desde a semana passada, depois de ter sido detido em Paris, após insultar um casal com declarações racistas e anti-semitas. Os últimos desenvolvimentos ditaram a decisão final da Dior.

“Eu amo Hitler.” A declaração é de Galliano, registada num vídeo amador divulgado esta segunda-feira pelo diário britânico The Sun. Hoje, a Dior anunciou a decisão de despedir o famoso designer, devido ao “comportamento particularmente odioso e às declarações feitas por John Galliano”.

“Condeno com a maior firmeza as declarações feitas por John Galliano em total contradição com os valores essenciais que sempre foram defendidos pela casa Christian Dior”, respondeu o director-geral da Dior Couture, Sidney Toledano, em comunicado citado pela AFP.

“Gente como vocês estariam mortas. As vossas mães e os vossos antepassados teriam sido gaseados”, atira Galliano, embriagado, na esplanada de um café, ao grupo de pessoas sentado ao seu lado. O vídeo, realizado por um dos visados, levou ao início do processo de despedimento do estilista de 50 anos, até agora director criativo da Dior.