Estacionar o automóvel e usar o metro e a Carris vai custar 49 euros por mês

O novo título mensal será carregado no cartão Lisboa Viva a partir do fim de Abril. O vereador da Mobilidade diz que para chegar a esta solução foi preciso mover "cabeças empedernidas"

Viajar na Carris e no Metropolitano de Lisboa custa 29,45 euros por mês. Deixar o carro num parque da EMEL ou da Emparque não fica por menos de 26,5 euros e, dependendo da sua localização, pode ultrapassar os 90 euros. A partir do fim de Abril, será possível estacionar nalguns desses parques e utilizar os transportes públicos por 49 euros mensais.

Este tarifário integrado destina-se fundamentalmente, disse ao PÚBLICO o vereador da Mobilidade da Câmara de Lisboa, a pessoas que vivem fora da cidade mas vêm de carro para trabalhar, seja por necessidade ou porque fizeram as contas e concluíram que essa era a opção menos onerosa. Com a nova solução pretende-se que, em vez de levarem os seus veículos até à porta do emprego, os automobilistas os deixem num dos parques que integram o serviço (ver mapa) e façam o resto do percurso em transportes públicos.

O novo tarifário, que o vereador Nunes da Silva adianta que deverá estar disponível daqui por dois meses, pretende assim contribuir para "libertar as zonas mais congestionadas e sobrecarregadas" da cidade. O autarca não arrisca avançar estimativas para a adesão a este sistema, conhecido por park&ride, salientando que isso depende de factores como a evolução do preço dos combustíveis, o aumento da fiscalização do estacionamento irregular e o alargamento das zonas tarifadas pela EMEL.

O novo título mensal, que combina transporte e estacionamento, deverá ser carregado no cartão Lisboa Viva. Numa primeira fase são dez os parques de estacionamento (sete municipais e três privados), com um total de mais de cinco mil lugares, que vão integrar o sistema. A expectativa de Nunes da Silva é que no futuro essa oferta seja ampliada para mais de 11 mil lugares, em duas dezenas de parques espalhados pela cidade.

Em Maio do ano passado, por ocasião da visita papal, foi feita uma primeira experiência de oferecer um tarifário que integrava a Carris, o Metropolitano e operadores de parques de estacionamento: durante dois dias foi possível viajar de metro e de autocarro e estacionar por cinco euros diários. O vereador da Mobilidade admite que a adesão foi fraca - "só 400 pessoas" usaram o sistema -, mas diz que graças a essa iniciativa "um milagre aconteceu".

Nunes da Silva, que já antes criticara a "resistência" da Carris em aceitar reduzir os seus preços para que o tarifário do park&ride fosse atractivo, admite que para chegar ao valor dos 49 euros foi preciso "mover algumas cabeças mais empedernidas". E mesmo assim, lamenta o vereador, "o milagre ainda não foi total" porque, ao contrário do que desejava, não vai haver títulos combinados de estacionamento e utilização de transportes públicos para um ou meio-dia.

O Metropolitano de Lisboa já disponibiliza, desde Outubro de 2008, um passe que permite viajar na sua rede urbana e estacionar no parque Alvalade XXI, da Emparque. Este título custa 37 euros por mês e no último ano registou uma média mensal de 127 utilizadores. Numa resposta escrita a questões do PÚBLICO, a empresa diz que está "satisfeita" com estes números, "mas continua a trabalhar no sentido de aumentar significativamente a adesão".