FC Porto

André Villas-Boas a uma vitória de ultrapassar Eriksson e Oliveira

"As próximas cinco jornadas podem ser fundamentais no caminhar para o título"
Foto
"As próximas cinco jornadas podem ser fundamentais no caminhar para o título" Foto: Miguel Riopa/AFP

O FC Porto somou 18 vitórias e dois empates nas primeiras 20 jornadas do campeonato, igualando o registo do Benfica de Eriksson (1983-84) e do FC Porto de António Oliveira (1996-97). Se hoje vencer em Olhão, a equipa de André Villas-Boas torna-se o melhor líder do campeonato à 21.ª jornada desde que o Benfica de Jimmy Hagan completou as primeiras 21 rondas de 1972-73 apenas com triunfos.

Os "dragões" iniciam o último terço do campeonato com uma difícil deslocação ao terreno do Olhanense, uma das equipas (a par do FC Porto) que ainda não perderam qualquer jogo em casa na Liga deste ano.

Curiosamente, em 1983-84, o Benfica sofreu a primeira derrota no campeonato à 21.ª jornada, perdendo por 3-1 nas Antas. Essa era a equipa de jogadores como Bento, Pietra, Bastos Lopes, Álvaro, Carlos Manuel, Chalana, Diamantino, Manniche, Stromberg e Nené. Terminaria o campeonato com duas derrotas e foi campeã, com três pontos de avanço sobre os portistas.

Também em 1996-97 o líder chegou à 20.ª jornada sem derrotas, mas caiu na 21.ª. O FC Porto de António Oliveira foi derrotado em casa pelo Salgueiros (1-2). Essa equipa, que incluía jogadores como Silvino, Aloísio, Jorge Costa, Rui Jorge, Zahovic, Edmilson, Sérgio Conceição, Drulovic, Domingos e Jardel, não sentiu dificuldades para ser campeã, vencendo a prova com 13 pontos de avanço sobre o Benfica e com três desaires em 34 encontros.

Ganhando em Olhão, Villas-Boas pode continuar a tentar igualar (mas já não superar) o registo de Jimmy Hagan, treinador britânico que levou o Benfica ao título em 1972-73, sem sofrer qualquer derrota. Igualar este recorde, no entanto, não é nada fácil. Para isso, o FC Porto teria de vencer os dez jogos que lhe faltam, já que esse Benfica (de José Henrique, Humberto Coelho, Jaime Graça, Toni, Artur Jorge, Eusébio, Simões, Vítor Baptista, entre outros) terminou a época com 28 triunfos e apenas dois empates.

Além de ter sido o único campeão sem derrotas - o Benfica de Mortimore também acabou 77-78 sem desaires, mas ficou em segundo -, os benfiquistas marcaram 101 golos nessa temporada de 72-73, na última vez que uma equipa ultrapassou a centena de remates certeiros no campeonato. O recorde, porém, pertence ao Sporting, que em 1946-47 apontou 123 golos num campeonato com 26 jornadas. Foi nesse ano que Peyroteo marcou 43 golos, registo apenas superado por Yazalde (46 golos em 73-74).