Centro Antivenenos do INEM recebe 70 chamadas por dia

Foto
Dentro das intoxicações com medicamentos as causas são muito variadas Foto: Darren Staples/Reuters/arquivo

O Centro de Informação Antivenenos (CIAV) tem como principal função auxiliar os cidadãos ou os profissionais de saúde para um eficiente socorro às vítimas de envenenamento ou de ingestão inadvertida de substâncias potencialmente perigosas.

Em 2010, foram recebidas mais de 28 mil chamadas no 808 250 143, o que equivale a uma média mensal de 2350 contactos. Na última década já houve anos de maior movimentação no CIAV, como em 2009, com 31 mil telefonemas. Mas as chamadas têm ultrapassado sempre a barreira dos 20.000.

Dentro das intoxicações com medicamentos, as causas são muito variadas, mas as mais comuns são enganos na administração de terapêutica (frequente em pais de crianças) ou ingestão acidental por menores. “Há um grupo etário particularmente de risco, entre um e quatro anos de idade. É quando começam a ter mais autonomia, têm uma enorme curiosidade, não têm a mínima noção de risco e deitam a mão a tudo que encontram”, explicou a coordenadora do CIAV, Fátima Rato.

A ingestão acidental de medicamentos pelas crianças tanto se aplica a remédios que estejam a tomar como a fármacos dos pais. Segundo Fátima Rato, a pílula da mãe é um exemplo frequente de ingestão pelas crianças: “É muitas vezes deixada em cima da mesa-de-cabeceira e há também uma tendência de a criança imitar o gesto dos adultos”.

Mais de 40 por cento são casos com crianças

As crianças motivam 42 por cento das consultas para o centro antivenenos. O maior número, cerca de seis mil, situa-se entre um e quatro anos. Em 2010 houve ainda mil contactos por problemas com crianças entre os cinco e os nove anos e 500 chamadas por menores de um ano. No caso das crianças com menos de 12 meses, o mais frequente são os casos de enganos dos pais na administração de um medicamento ou ingestão acidental de produtos na hora do banho.

Os profissionais de saúde são quem mais contacta esta linha, em grande medida porque o público em geral ainda desconhece este serviço e opta por telefonar primeiro para a linha saúde 24 ou dirigir-se a um serviço de saúde.

“Os colegas dos hospitais e centros de saúde ligam-nos sobretudo porque a toxicologia tem particularidades muito próprias. No caso dos medicamentos é fácil o médico saber o que pode provocar. Mas quanto a outros produtos, como detergentes, os médicos não têm acesso à sua composição química. Por uma questão de segredo industrial, não é comunicado ao público em geral, mas é obrigatoriamente transmitida pelas empresas ao CIAV”, explicou Fátima Rato.

Com oito médicos a trabalhar, a linha 808 250 143 funciona 24 horas por dia e 365 dias por ano. Em caso de ingestão de uma substância com possível perigo de intoxicação, a coordenadora do serviço aconselha o contacto imediato com o CIAV. “O melhor é ligar directamente para o CIAV. Pode acontecer que nem seja necessário o recurso a uma unidade de saúde. Se for uma situação de grande gravidade, accionamos logo a partir daqui os meios de socorro do INEM”, sintetiza.

Sugerir correcção
Comentar