Uma exibição para assustar quem vai à frente

Foto
Os jogadores do Benfica fizeram mais um boa exibição Rafael Marchante/Reuters

Ultrapassados todos os traumas de um início de época difícil, o Benfica está a fazer perfeita justiça às palavras de Jorge Jesus, quando este diz que a equipa está em grande forma. Este domingo, na Luz, mais uma grande exibição, das melhores da temporada, e mais uma vitória, a nona consecutiva para o campeonato, por 3-0, frente a um pobre Vitória de Guimarães, que foi pouco mais que uma fronteira simbólica para os “encarnados”.

Os resultados e as exibições são a prova do que diz Jesus, cujas palavras são também dirigidas para fora, “mind games” para um destinatário muito específico, o FC Porto. Mas a verdade é que já ninguém fala de Di María, porque Nico Gaitán está lá, já ninguém se lembra de Ramires porque Salvio está a mostrar que merece o investimento, ninguém fala dos “frangos” de Roberto, porque eles já não acontecem, e, em breve, ninguém irá chorar por David Luiz porque Sidnei ocupou o seu lugar sem sobressaltos. E os outros, bem, esses estão ao seu nível, que é o mesmo que dizer, estão a jogar como jogavam na temporada passada, quando valeram um título de campeão.

O Vitória era um fantasma do terrível início de época dos “encarnados”, derrotados na primeira volta, à quarta jornada, por 2-1. Mas esse era o Benfica ainda à procura de identidade. Uma volta inteira depois, foi um Benfica dominador como tem sido, desde o primeiro minuto, à prova de qualquer veleidade adversária ou erros de arbitragem. Só o desperdício “encarnado” (e uma exibição inspirada de Nilson na baliza vimaranense) foi mantendo alguma emoção no resultado.

Com tanto Benfica e tão pouco Vitória, o golo só veio aos 24’ e pareceu tardio. Um canto marcado por Aimar a que Sidnei, sem marcação ao primeiro poste, respondeu da melhor maneira, numa bola que até nem vinha muito alta. O vendaval benfiquista continuou, sem qualquer resposta dos homens de Manuel Machado, sem golos, mas com duas bolas no ferro, primeiro por Salvio, aos 28’, após livre marcado por Cardozo, depois por Gaitán, aos 41’, quando estava sozinho na pequena área vimaranense.

Na segunda parte, pouco ou nada mudou. Mais Benfica, zero Vitória e mais dois golos, com os mesmos protagonistas mas em papéis invertidos. Minuto 49’, Sidnei faz um lançamento longo, Aimar domina a bola à entrada da área, ultrapassa um defesa do Vitória e bate Nilson pela segunda vez. O Benfica abrandou o seu jogo sem que tivesse sofrido demasiado com o inofensivo Vitória. E até se deu ao luxo de falhar um penálti - aos 78’, João Alves fez falta sobre Saviola e Cardozo, na conversão do livre, atirou ao lado. Nada de novo para o avançado paraguaio.

Apenas aos 83’, os visitantes estiveram perto de marcar, e um golo nesta altura até poderia ter mudado alguma coisa. Mas Edgar, em frente a Roberto permitiu grande defesa ao guarda-redes espanhol. No último minuto, o suplente Carlos Martins deu um bocadinho mais de cor ao resultado: um “chapéu” por cima de Nilson. Vitória tranquila e sem sobressaltos, acima de tudo convincente, para o Benfica se manter na corrida. Segue-se o Estugarda, para a Liga Europa, e depois é em Alvalade, com o Sporting, que não está à altura deste Benfica, mas que gostará, por certo, de complicar a vida ao rival.


POSITIVO e NEGATIVO

+


Aimar
Assistiu para o primeiro golo e marcou o segundo, num jogo em que os avançados benfiquistas estavam a ter problemas a acertar com a baliza. Mais influente que isto, é impossível.

Sidnei
Está a provar que o Benfica vendeu David Luiz na hora certa. Marcou um golo, assistiu para outro e mostrou que o lugar na defesa ao lado de Luisão é dele. Jardel vai ter de esperar por uma oportunidade, como Sidnei também esperou antes dele.

-


V. Guimarães
Nunca esteve perto de repetir o triunfo da primeira volta. Apenas um remate perigoso de Edgar já perto do final. Muito pouco.
Ficha de jogoBenfica, 3
V. Guimarães, 0

Jogo no Estádio da Luz, em Lisboa.Assistência
54.927 espectadores.

Benfica

Roberto

7

, Maxi Pereira

7

, Luisão

6

(Jardel

-

, 90’+2’), Sidnei

7

, Fábio Coentrão

6

, Javi García

6

, Salvio

7

, Aimar

7

(Carlos Martins

6

, 70’), Gaitán

7

, Saviola

6

(Franco Jara

-

, 81’) e Cardozo

6

.

Treinador

Jorge Jesus.

V. Guimarães

Nilson

7

, Alex

4

, Ricardo

4

, N’Diaye

4

, Bruno Teles

4

, Renan

5

(Targino

5

, 56’), João Alves

6

, João Ribeiro

5

, Rui Miguel

5

(Jorge Ribeiro

5

, 46’), Faouzi

5

(João Pedro

5

, 56’) e Edgar

6

.

Treinador

Manuel Machado.

Árbitro

João Ferreira

4

, de Setúbal.

Amarelo

João Alves (76’).

Golos

1-0, por Sidnei, aos 24’; 2-0, por Aimar, aos 49’; 3-0, por Carlos Martins, aos 90’+4’.

Notícia actualizada às 21h31