Em litígio com director

Não publicação de notícia leva a demissão de editor de política do Diário de Notícias

O director do DN não quis falar sobre o assunto
Foto
O director do DN não quis falar sobre o assunto João Cortesão (arquivo)

David Dinis, editor de Política do jornal Diário de Notícias, demitiu-se do cargo em Janeiro em litígio com o director do diário, João Marcelino, que impediu a publicação de uma notícia sobre o facto da operadora de telecomunicações TMN ter destruído parte dos dados de tráfego telefónico de Armando Vara (ex-vice-presidente do BCP), de Rui Pedro Soares (ex-administrador da PT) e de Paulo Penedos (ex-assessor da PT), no âmbito do processo Face Oculta.

A notícia estava pronta há algum tempo, mas João Marcelino não autorizou a sua publicação, tendo entretanto o Correio da Manhã e o Sol acabado por a publicar.

Ontem, David Dinis confirmou ao PÚBLICO que já não ocupa o cargo de editor, tendo recusado a comentar o motivo que esteve na origem do abandono. João Marcelino, por sua vez, não respondeu ao pedido de esclarecimento do PÚBLICO e quando contactado através do seu telemóvel pessoal desligou a chamada. Tal ocorreu depois da jornalista do PÚBLICO lhe ter explicado por que estava a ligar e ter dito que tinha tido o cuidado de confirmar a informação que lhe chegou. Antes disso, já o PÚBLICO tentara obter um comentário através do elemento da direcção que estava ontem a fechar o jornal, o sub-director Nuno Saraiva, que também se recusou a falar.

A questão da manipulação dos meios de comunicação social foi amplamente discutida após a divulgação de escutas telefónicas do Face Oculta. Na altura, o semanário Sol revelou que a 20 de Junho de 2009, quando os termos da compra da TVI pela PT estavam a ser negociados e Rui Pedro Soares se preparava para viajar para Madrid, Paulo Penedos e o então administrador da PT discutiram quem ficaria à frente da estação e da Media Capital. Rui Pedro diz que "uma das razões para ser a PT a comprar" é ele próprio "poder ir" para a estação. Diz que até já "está escolhido o director de informação - o Paulo Baldaia", director da TSF ( do grupo Controlinveste que comprou a Lusomundo Serviços). Penedos lembra que o jornalista "é dado como próximo do Tó-Zé" (referindo-se a António José Seguro, de quem Baldaia foi assessor de imprensa). Rui Pedro Soares responde que Paulo Baldaia "vai ser muito importante porque o João Marcelino é amigo do gajo, temos a Lusomundo tratado [ou seja DN/JN/TSF]".